‘Pregar aos convertidos’ e algumas sugestões

UPDATE @ 18:57: um pouco depois de publicar o texto, encontrei isto que ilustra perfeitamente o meu argumento quanto ao problema de querer apelar às massas. No video vemos um dos ‘nacionalistas cívicos’ mais populares, Tommy Robinson, a chamar ao palco de um evento político um drag queen e a aplaudir-lhe a bravura. Isto é o que acontece quando se quer ser ‘big tent’.

A ideia para este texto surgiu de uma conversa que tive com o Afonso de Portugal, na caixa de comentários deste post.

A ideia de que ‘pregamos aos convertidos’ é algo que já terá ocorrido a todos os autores cujas ideias são diferentes do mainstream, sobretudo desde o advento da Internet. Com a possibilidade de chegar directamente a um vasto público vem a sensação de fracasso e o sentimento de frustração quando o não conseguimos concretizar, e em vez disso parece que escrevemos apenas para o pequeno grupo que já nos conhece. Talvez ainda mais descoroçoante seja realizar que nunca chegaremos a influenciar com os nossos escritos um número considerável de pessoas. Esta última asserção não é partilhada por todos. Pelo contrário, muitos dos meus pares têm ainda como objectivo alcançar as massas e convertê-las à causa. Aqui vou expor as razões porque acho que tal não é possível, nem desejável, no estágio presente do nosso movimento.

Como o Afonso aponta e bem a “blogosfera tem perdido muitos leitores nos últimos anos, em grande parte devido às redes sociais”. O imediatismo junta-se às injecções de dopamina por cada reacção nessas redes, algo que os blogs não podem replicar, e com o qual não podem portanto competir. Junte-se a isso o facto de os ‘nacionalistas’ e ‘tradicionalistas’ não terem conseguido ‘ter um impacto visível’ nas redes sociais. Penso que há formas de utilizar as redes sociais de forma benéfica a nosso favor, mas falarei mais à frente deste aspecto. O que não considero é que alguma vez consigamos ter o mesmo nível de impacto, ou sequer parecido, que personalidades e grupos do mainstream têm.

O Afonso compara, por exemplo, as audiências gigantescas de miúdos parvos no Youtube com o insucesso numérico dos nacionalistas, e conclui “Ou encontramos formas eficazes de seduzir os nossos potenciais eleitores ou estamos condenados a continuar a falar para meia-dúzia de pessoas que já pensam como nós. Isto é um problema muito sério, a que poucos no movimento nacionalista têm dado atenção. É preciso aprendermos a vender o nosso peixe, ou continuaremos a perder as batalhas e, no final, a guerra!“. Eu concordo, mas acho que o mais importante é saber o que estamos a vender. A publicidade direccionada gera muito mais frutos do que a indiscriminada: a BMW não vai fazer publicidade num bairro social, mas em bairros de classe média alta. Ou seja, temos de saber quem são os consumidores da nossa particular espécie de ‘peixe’. Para isso temos de saber que ‘peixe’ é (se queremos atrair as massas ou atrair um número mais reduzido de homens capazes e rectos) e tal como os publicitários da BMW sabem identificar quem tem meios financeiros de comprar BMWs, nós temos de saber quem tem meios intelectuais de ‘comprar’ as nossas ideias.

Considere-se o cidadão comum: aquele que obtém toda a sua informação de fontes oficiais e desconfia de tudo o que não venha com o selo dessas fontes; que papa novelas, reality shows ou filmes de superheróis; que ouve a música terrível e degradante que dá na rádio, etc. Ou considere-se até o intelectual comum (estudante universitário, professor, jornalista, etc), cujo bem estar e estabilidade financeira (para não falar da psicológica) dependem da sua aderência aos lugares comuns do nosso tempo. Consegue-se imaginar que as nossas ideias os convençam? Terão capacidade intelectual, ou honestidade moral, para sequer as entreterem seriamente?

Eu não concordo que se possa instruir as massas pois por definição estas são insusceptíveis de instrução. Isto pode soar excessivamente elitista mas não somos nós contra a ideia de igualdade? Não reconhecemos a naturalidade das hierarquias? Só porque a Internet oferece a possibilidade de se chegar a um número elevado de pessoas, não significa que todo o tipo de ideias possam ser adoptadas (ou sequer consideradas) pela maioria. A Internet mudou os meios de comunicação, mas não mudou a natureza humana. Esta incapacidade das massas de pensar em problemas sociais não existe apenas na nossa sociedade, existiu em todas as do passado e existirá em todas as do futuro. Simplesmente não é útil ou possível ao cidadão comum pensar sobre questões complexas de organização social ou teor moral. Vários psicólogos sugerem até aos seus pacientes que se deixem de preocupar com tais assuntos pois estão fora da sua esfera de influência e controlo e como tal tendem a gerar sentimentos de ansiedade e stress. Tudo indica que somos nós, os que pensamos a fundo e frequentemente sobre estes assuntos, e não eles, que os ignoram, os verdadeiros ‘malucos’, pois dedicamos o nosso tempo a assuntos que estão largamente fora da nossa esfera de influência directa. Ou seja e em suma: nunca chegaremos a 99% dos fãs dos miúdos parvos do Youtube.

Depois há a questão de que o nosso canto da Internet é considerado radical pois está fora do espectro do discurso aceitável. Tendo em conta a natureza das mulheres e a quantidade de homens efeminados para quem seguir a linha oficial em assuntos desta dont-think.jpgnatureza é absolutamente essencial para a sua estabilidade psicológica, para quem estar alinhado com as opiniões do zeitgeist constitui um selo de aprovação da sua existência, podemos descontar também estes – mesmo tendo QIs medianos ou até acima da média, a sua disposição psicológica não lhes permite entreter as nossas ideias, até que elas tenham algum peso e consequência fora dos meios intelectuais. Mesmo que o zeitgeist vá contra os seus interesses directos como sabemos ir, a panaceia do politicamente correcto é o ópio que lhes permite funcionar em sociedade e distraí-los da dissonância cognitiva. Para estes, e até sermos um exemplo a seguir, não na Internet mas na prática, continuaremos a ser uma ameaça à estabilidade mental destas pessoas e à estabilidade social que pensam depender da aderência ao zeitgeist. Mais uma vez somos nós os ‘malucos’, que rejeitamos o conforto psicológico que surge da aceitação da mundividência vigente.

É portanto duvidoso, no mínimo, que consigamos atrair um número considerável de pessoas para aquela que é uma esfera por enquanto puramente intelectual e, pior, das franjas. Mas será isto uma tragédia?

Não creio. Primeiro, como se costumava dizer, o que não tem remédio, remediado está. Não acho que alguma vez consigamos alterar a natureza humana que torna as considerações acima apresentadas uma realidade, e não penso que essas considerações possam ser disputadas. Mas se tentar apelar às massas é maioritariamente uma perda de tempo – pelas razões apresentadas acima – pode ser também potencialmente prejudicial. E passo a explicar porquê.

Desde 2016 que tenho observado a evolução de vários ‘movimentos’ que ganharam uma maior proeminência com o fenómeno Trump. De repente, estas franjas não eram tão minoritárias, apelavam a um número cada vez maior de pessoas, incluindo pessoas como as que descrevi anteriormente. O que sucedeu com esse alargamento, no entanto, foi que para o efectuar teve de se fazer um enorme número de concessões tácticas, como ClA8HJ2VEAA8oOwacrescentar água ao leite até ficar só um líquido nojento que não é nem uma coisa nem outra. Da mensagem nacionalista e tradicionalista, para apelar às massas, ficou só uma tímida e reduzida ideia de ‘nacionalismo cívico’ – a ideia de que podemos ter uma sociedade multiracial desde que os imigrantes se ‘integrem’ na nossa cultura presente – e o exacto progressismo que defende essa cultura presente contra o qual nos insurgimos. A única coisa que ficou entrincheirada foi a oposição ao Islão – mas há boas e más razões para se lhe opor, e esta estirpe (a popular), a que apela a um número considerável, opõe-se por más razões. Os seus argumentos vão todos no sentido de defender as ‘liberdades’ Ocidentais – aquelas que são a principal causa da degeneração moral e étnica da nossa civilização. Ou seja, para apelar às massas, foi preciso prestar tributo aos dogmas da nossa época, e fazê-lo inclusivamente através da estupidificação dos meios (alguns dos Youtubers mais populares desta estirpe são francamente embaraçosos, pois querem ser comentadores sérios e, ao mesmo tempo, editar os seus videos de forma a captar a atenção dos tais miúdos parvos que não conseguem prestar atenção a nada que seja sério e sóbrio).

Repare-se quem são as figuras mais populares desta estirpe mais mediática: sodomitas, mulheres, minorias étnicas, travestis. Não são os homens brancos heterossexuais que criaram e defenderam a doutrina original e não conspurcada, mas sim papagueadores imitativos Kanye-MAGApertencentes aos grupos que têm algumas medalhas nas Olimpiadas da Opressão e que portanto são passíveis de serem ouvidos pela populaça. Note-se um exemplo recente e hilariante: quando Kanye West (um homem desequilibrado e sem talento) decidiu que afinal Trump era do seu agrado, e foi ligeiramente contra o zeitgeist neste aspecto, a plebe que foi atraída pela versão ‘aguada’ do movimento entrou em euforia por ter a validação de uma das vacas sagradas do progressismo (alguém que não fosse branco), e também por ser alguém tão popular (por partilharem a opinião de que a popularidade é em si mesma uma coisa boa). O mesmo se observou amiúde com outras vacas sagradas: sodomitas como o Milo Yiannopoulos, trad thots (‘putéfias tradicionalistas’) como a Lauren Southern, ou 7efda4313127bb3389b11be36caa10d7-d596isxtravestis como o Blair White. Eu não quero estas pessoas no meu grupo, não só porque apresentam uma versão domesticada e bastardizada daquilo em que acredito, mas porque aquilo que são na prática contradiz a teoria. Não podemos promover um patriarcado tradicional etnicamente coeso através de mulheres, sodomitas e minorias étnicas. É um contrasenso. O próprio PNR, que muitos ainda consideram uma alternativa viável, já começou a desfilar afrodescendentes para se tornar mais moderno e acessível ao cidadão comum que grita de horror quando lhe dizem que Portugal devia ser dos Portugueses. Quanto tempo até o PNR ter o seu ‘nacionalista genderqueer’ para angariar votos entre desviantes e os seus defensores? Quanto tempo até ter a sua ‘putéfia tradicionalista’ para lucrar com a frustração sexual e a falta de masculinidade das novas gerações? Em suma, as pessoas que estes fantoches atraiem não são pessoas que queiramos atrair, nem são na sua maioria pessoas passíveis de serem convertidas. E as que forem passíveis de conversão não convém que o sejam à doutrina enfraquecida através de personagens semi-progressistas. Se o forem, devem ser à doutrina verdadeira, através de homens brancos heterossexuais, que representam na prática aquilo que advogam na teoria.

Resta o argumento do ‘stepping stone’, isto é, que estas personagens e as suas versões degeneradas da doutrina servem de porta de entrada para a versão dura, mas nunca observei nenhum participante sério ter sido trazido por este meio. O que observei foi uma catrefada de desviantes sexuais, minorias étnicas e homens sexualmente frustrados que enfraquecem o movimento e nunca chegam ao patamar superior. Os que por acaso se radicalizam contaminam com drama, e por vezes até doxing, porque cotinuam a ser os mesmos seres fracos e efeminados que ainda ontem acreditavam na cantilena progressista e que se juntaram ao movimento apenas por interesse, ou para satisfazer uma necessidade de pertença nascida da sua fraqueza.

Algo que já é vastamente reconhecido como necessário é a exclusão e condenação dos elementos violentos, ‘neonazis’, etc. Reconhece-se que para a percepção do homem comum ter ‘neonazis’ caricaturais a utilizar meios violentos só serve para descredibilizar e dar uma ideia errada das nossas intenções. Também eles pertencem ao grupo dos QIs baixos, mas por frustração, trauma ou disposição (ou uma combinação destes factores), são atraídos pelas franjas políticas. Mas é notório que não servem para dar uma ideia correcta daquilo que representamos, nem servem como aliados, pelo menos enquanto o movimento não existir com racionalidade e organização, e enquanto não existirem instituições próprias e liderança clara. As massas são seguidoras por natureza, mas por enquanto ainda não há nada que possam seguir, pois o movimento é ainda puramente intelectual e desorganizado.

Por todas estas razões, pregar aos convertidos é um fado inevitável, mas não é tão espúrio como se possa pensar. Há óptimas e importantes razões para se continuar a falar àqueles que já estão do nosso lado, sem moderar a mensagem. Fazê-lo endurece a convicção e assegura os participantes de que não estão sozinhos (também nós somos humanos e sofremos das mesmas disposições psicológicas que fazem com que necessitemos, até certo ponto, de saber que existe quem concorde connosco); clarifica a doutrina e expurga-a de degenerações, desvios e concessões. E através destas duas consequências da pregação aos convertidos pode chegar-se a um entendimento sobre os valores, causas e objectivos do movimento, sobre qual se pode erigir algo mais concreto. O facto de neste momento ser ainda difuso e disperso não implica que seja para sempre assim. E esta pregação não exclui a conversão de novos membros, pelo contrário, garante que se convertem os membros certos. O que é preciso ter em conta é que para se efectuar uma conversão o converso já tem de estar aberto a ser convertido. Homens curiosos e intelectualmente honestos procurar-nos-ão para essa conversão, se já estiverem abertos a ela. E para cumprir estes dois desígnios é preciso não nos deixarmos desencorajar e continuar a pregar.

Falarei noutro texto sobre um plano de acção que vá além dos esforços intelectuais, mas aqui quero deixar apenas algumas sugestões em relação a este aspecto e tendo em conta a situação presente, no sentido de atrair aqueles que já andam à procura de algo e que potencialmente o encontrarão entre nós:

1) Os blogs que tratem maioritariamente de notícias e ofereçam a nossa perspectiva dos eventos noticiados ganhavam bastante em manter uma presença regular nas redes sociais populares (sobretudo no Twitter), para publicitarem os posts e contactarem potenciais ‘conversos’. Usando os hashtags, categorias, etc, para ligar os posts aos assuntos do dia, e interagir com figuras da Direita moderada (‘Insurgentes’, ‘Blasfemos’, etc), não para os converter a eles, mas para ilustrar a alguns dos seus leitores potencialmente convertíveis que existem perspectivas diferentes sobre os assuntos.

2) Criar contas em redes sociais alternativas (Gab, Minds, etc), para direccionar a partir das contas nas redes populares e encorajar o maior número possível a migrar para estas plataformas alternativas.

3) Blogs que façam posts curtos podem converter uma boa parte do seu conteúdo em posts nas redes sociais. O conteúdo imediatista oferece-se a este tipo de plataforma bem mais do que ao formato blog, deixando este para conteúdos mais longos. Se esses posts curtos forem sobre notícias deixá-los nas caixas de comentários dos jornais (e também dos blogs da Direita moderada) com links para os blogs pode trazer alguns curiosos.

4) Uma última consideração sobre a importância que a questão estética tem para o primeiro contacto: muitos dos blogs deste canto da Internet têm infelizmente uma estética descuidada, por vezes kitsch ou até casos crassos de desformatação que causam uma aversão automática em qualquer novo leitor. A questão estética pode parecer supérflua ou mesquinha, mas a meu ver a aparência sinaliza algo sobre o conteúdo: da mesma forma que um homem deve apresentar-se em público lavado e vestido de forma civilizada para ser levado a sério, o mesmo pode ser dito sobre os blogs e a sua aparência. Pode não ser justo julgar-se um livro pela capa, mas a verdade é que sucede e provavelmente vai sempre suceder. Um pequeno esforço neste sentido faria uma diferença tremenda.

Anúncios

Automatizar a Alienação: progresso tecnológico e anti-globalismo

«The conservatives are fools: They whine about the decay of traditional values, yet they enthusiastically support technological progress and economic growth. Apparently it never occurs to them that you can’t make rapid, drastic changes in the technology and the economy of a society without causing rapid changes in all other aspects of the society as well, and that such rapid changes inevitably break down traditional values.»

Theodore Kaczynski, Industrial Society and Its Future, 1995

Um dos argumentos mais usados pela intelligentsia globalista para justificar a imigração de massas para o Ocidente é o baixíssimo índice de fertilidade observado entre as populações nativas e a necessidade de manter a população a um nível estável evitando, desta forma, uma descida nos níveis de produtividade e um colapso do sistema de pensões. Esquecendo a perspectiva ‘conspiratória’ de que existem motivos ulteriores social_problems_depicted_in_cool_cartoon_art_04para as elites globalistas quererem esta solução, o argumento que apresentam é puramente económico – e nessa sua miopia estão perfeitamente alinhados com a Direita moderada, para quem a economia é o único barómetro político, social e cultural.

Este argumento pode ser rejeitado por várias razões, algumas económicas e outras de cariz moral: a mais importante, a meu ver, não tem absolutamente nada que ver com economia, e baseia-se no princípio moral de que uma população deve manter a integridade étnica (e logo, cultural) da sua nação ancestral. Acontece que este princípio, embora moralmente justificado, para ser aplicável na realidade, obriga a que se façam considerações de ordem técnica. Podemos achar, e com razão, que os argumentos e intenções dos globalistas são iníquos, mas temos de concordar que o seu raciocínio não é totalmente disparatado, sobretudo se quisermos manter ou aumentar o nível de riqueza presentemente existente. Tendo em conta o índice de fertilidade dos nativos europeus, a Segurança Social e semelhantes sistemas de transferência de rendimentos de jovens para idosos é insustentável. Já o é há várias décadas, e a combinação de declínio populacional e políticas inflacionárias promete destruir o sistema por dentro, seja através da impossibilidade de o Estado cumprir com os compromissos para com os beneficiários ou de os cumprir para com os credores a quem se endividou para pagar aos beneficiários. É um problema inamovível e que exige uma solução.

A Direita moderada não tem preferência: desde que se resolva, não importam os meios – mesmo que esses meios sejam a substituição da população original por africanos, árabes e ameríndios. Tendo em conta que esta substituição não implica uma reposição qualitativa, mas sim quantitativa, que os imigrantes que invadem o Ocidente não têm a mesma capacidade intelectual e produtiva dos nativos, que uma boa parte deles adicionam custos em vez de benefícios ao sistema, e que a economia mundial necessita de cada vez menos mão de obra não-especializada dada a automatização e o avanço tecnológico (algo que já afecta as classes baixas e médias do Ocidente) as considerações conspiratórias ganham alguma validade. Pelo que a Direita identitária rejeita obviamente esta solução, tanto moral como economicamente, e em contraposição diz que não precisamos de imigrantes, precisamos somente de mais automatização e progresso tecnológico. Com a automatização e o progresso tecnológico vem racionalidade económica, maior produtividade e logo a libertação de recursos sem se sacrificar a produção de riqueza, permitindo, em princípio manter o sistema de pensões mesmo perante uma população envelhecida e uma diminuição da população activa. A automatização permite já, e permitirá cada vez mais, a realização de inúmeras tarefas de forma menos dispendiosa do que a prévia necessidade de se empregar as classes baixas e médias, aumentando o nível geral de riqueza. O argumento é ilustrado sucintamente neste video. Ao contrário da Direita moderada e dos globalistas, a Direita identitária pode apontar para sociedades onde a sua solução já está a ser praticada.

Para os identitários, o Japão funciona como o exemplo a seguir. Uma sociedade envelhecida, sim, mas que, apesar disso, continua a prosperar economicamente, cada vez mais tecnologicamente avançada e que se mantém ainda etnicamente homogénea, e logo largamente livre do crime violento ou de propriedade, ao ponto de a polícia não ter o que fazer. No entanto, penso que é algo ingénuo olhar para o Japão como uma história de social_problems_depicted_in_cool_cartoon_art_640_36.jpgsucesso, quando essa história pode ser mais correctamente descrita como uma tragédia. Se as afirmações acima sobre a sociedade Japonesa são verdadeiras, é preciso no entanto olhar para o abismo social e moral em que o país caiu – não apesar delas, mas por causa delas. Neste mini-documentário, vemos a profundidade da decadência para lá dos números, aquela que não podendo ser quantificada, pode ser observada e sentida. Esta é uma sociedade altamente disfuncional, um pesadelo kafkiano de hotéis capsula, de homens herbívoros, de hikikomoris, em que homens e mulheres não têm interesse no sexo oposto, em que a figura do funcionário ideal da corporação se realiza na sua mais assustadora representação – e mesmo isso não sendo suficiente para satisfazer as necessidades de uma sociedade altamente competitiva – em suma: o cúmulo da sociedade materialista. O desenvolvimento tecnológico que tornou o Japão numa história de sucesso económico foi art-emgn-7o mesmo que tornou os seus cidadãos meros autómatos ultra-materialistas, desligados da sua humanidade e, logo, do próximo. E, sem alógenos violentos que, pelo seu barbarismo, os lembrem da realidade pura e dura da vida, têm liberdade e paz para adormecer num torpor estéril de conforto. Não admira que uma tal sociedade não produza progenitura. Para quê trazer crianças ao mundo quando o mundo é um vazio absoluto? Os Japoneses são um retrato aterrador do futuro que a automatização trará ao resto do mundo – se o permitirmos. No fundo são uma ilustração humana da fossa comportamental observada por John B. Calhoun na sua experiência com roedores. E na verdade, mesmo em países relativamente atrasados (em comparação com o Japão), observamos já as mesmas consequências.

Mesmo deixando de lado considerações sobre a alienação social, o problema demográfico é, pelo menos em parte, um produto da sociedade pós-industrial. Tome-se, por exemplo, o declínio nas contagens de espermatozóides nos homens ocidentais, cujas origens particulares não são objecto de concordância nos estudiosos mas em que todas as hipóteses são produtos do estilo de vida permitido e apenas possível pelo rápido progresso tecnológico (a comida altamente processada, o excesso de toxinas no ar, os químicos na água, etc).

A solução para um problema não pode ter a mesma natureza que a origem desse problema. Aquilo que permitiu a baixa fertilidade e o envelhecimento nas nossas sociedades foi a automatização e o avanço tecnológico, a terciarização da economia, o desligar da actividade económica da capacidade de sobrevivência. Pelo que mais automatização, mais avanço tecnológico e mais terciarização não vão resolver o problema, mas sim complicá-lo. Quanto mais removidas as pessoas estiverem das realidades da natureza, quanto mais conforto e alienação, quanto mais artificiais forem as suas vidas, mais fácil será subverter os seus valores e destruir a sua humanidade.

É inegável que o relativismo moral propagado quer pelas universidades quer pela sociedade de consumo e pela Internet teve e tem um efeito devastador nas atitudes sociais, incluindo aquelas directamente relacionadas com a reprodução, a sexualidade e as relações entre os sexos. Mas estas razões culturais são inseparáveis dos avanços tecnológicos que as permitiram – e sem os quais a propaganda que as promoveu não teria tido efeito, pois os recursos materiais para os realizar não existiriam. Não só a tecnologia permite disseminar a propaganda, mas as próprias atitudes são possíveis apenas através dos meios tecnológicos. Imagine-se, por exemplo, sexualidade desligada da reprodução de forma generalizada sem contraceptivos, transsexualismo sem técnicas avançadas de cirurgia plástica, homossexualidade continuada sem medicamentos que mantenham as várias doenças propagadas pela actividade sob controlo ou, para usar um exemplo ainda mais simples, a própria medicina que permite que pessoas, por mais ineptas ou irresponsáveis, sobrevivam até uma idade extremamente avançada.

Eu costumava partilhar da ideia que a tecnologia era socialmente neutra, isto é, que eram os homens e as suas disposições que imprimiam a uma particular tecnologia uma faceta benéfica ou maléfica. E até certo ponto é verdade. Mas é preciso entender que a tendência natural no Homem é para o mal devido à sua natureza caída. Como diziam os texto technoantigos: a carne é fraca. E é igualmente importante compreender que não é tanto uma tecnologia em particular que constitui o problema, mas o rápido e exponencial avanço da mesma, que leva à introdução de uma ou outra ferramenta na sociedade sem que haja uma consideração prévia das suas consequências para a sociedade. Os últimos 250 anos no Ocidente, quase sem excepção, foram de ditadura científica e tecnológica – sob um ou outro sistema político, a constante foi a primazia deste progresso sobre todas as outras considerações e o concomitante desprezo por qualquer preocupação levantada em relação a essa primazia. Salazar não prezava o ‘imobilismo’ português, como os seus detractores o apelidavam, nem o protegeu institucionalmente por uma questão de pequenez provinciana, mas sim porque sabia que o progresso tecnológico veloz levava a uma igual revolução nas estruturas sociais.

É óbvio que muita gente utiliza a tecnologia para fins nobres, para procurar a verdade, para se tornar uma pessoa melhor e mais completa, para ajudar os outros, etc. Mas, pela própria natureza humana, esses serão sempre uma minoria. Esta realidade, no entanto, só tem consequências sociais graves quando a tecnologia atinge um ponto de sublimação – ou seja, quando se torna generalizada.

A melhoria das condições de vida desligada do esforço individual não é uma estrada de sentido único. Estas melhorias, sobretudo a partir de um certo ponto de desligamento completo entre produção e sobrevivência, de controlo e alienação quase absolutos da natureza, criam as suas próprias estruturas mentais e culturais. As normas tradicionais existem dentro de uma moldura civilizacional em que os homens têm de trabalhar para sobreviver, estão sujeitos e, até certo ponto, limitados pelas forças da natureza. Não admira pois que, quanto mais avançada a revolução industrial e mais removidos os homens estão destas condições naturais, menos as normas tradicionais sejam seguidas ou vistas como válidas, e mais a promoção dos estilos de vida alternativos se torne aceitável.

Veja-se algo tão simples como veículos motorizados. Estes permitem percorrer distâncias relativamente longas com facilidade, onde antes as mesmas distâncias eram muito mais dispendiosas e difíceis. Por um lado, admitimos todos os benefícios que trouxe, mas não nos podemos admirar que esta mobilidade facilitada tenha ajudado também a acabar com a proximidade comunitária, que tenha levado a que a família estendida se transformasse em família nuclear, que a educação das crianças deixasse de ser um trabalho do bairro, da vila ou da aldeia. Isto para ilustrar que até uma tecnologia que tomamos como garantida, tem implicações para a organização social e enfraquece normas tradicionais de comunidade.

Outro exemplo do dia-a-dia pode ser encontrado nos electrodomésticos. Tendo sido originalmente oferecidos às donas de casa, para as ajudar nas tarefas diárias que faziam parte dos deveres de uma mulher, rapidamente se transformaram numa forma de libertação, não só dos aspectos mais cansativos da lida da casa, mas eventualmente da própria casa. A mulher libertada pelos electrodomésticos que não tinha de despender tanto tempo nas tarefas domésticas criou a ‘dona de casa aborrecida’, sujeita a todo o tipo de propaganda da sociedade de consumo, até eventualmente criar a mulher que entra no mercado de trabalho, a mulher carreirista, as enormes taxas de divórcio e mães solteiras, e por aí adiante.

Estes exemplos, e milhares de outros, sugerem que o nível de crescimento tecnológico, que é exponencial, não linear, é rápido demais para que exista uma concordante adaptação mental nas pessoas, gerando a disfunção e alienação que caracterizam as nossas sociedades.

As pessoas gostam de imaginar, por exemplo, que os carros conduzidos automaticamente vão libertar tempo para as pessoas se instruírem, adquirirem novas capacidades, criarem novas obras de arte, etc. Na realidade, o que vai acontecer e acontece sempre é que as pessoas vão usar esse tempo para ver pornografia, reality shows, tirar selfies e jogar jogos de computador. Da mesma forma que gostavam de imaginar que a Internet seria usada para expandir o conhecimento e erudição do cidadão comum, quando na verdade a maioria usa-a para satisfazer impulsos primários e alienar-se do vácuo da vida moderna através de entretenimento.

E repare-se que nem mencionámos os perigos que a Inteligência Artificial e a modificação genética apresentam para a humanidade, problemas distintos em natureza daqueles que falámos acima, e que são o produto do progresso tecnológico exponencial quando não existem entraves institucionais, ou sequer considerações sérias sobre as consequências desse progresso.

Por isso a invasão imigrante é menos destrutiva a longo prazo do que a crescente automatização e progresso tecnológico, precisamente por gerar mais sofrimento físico e mais tensão – uma tensão e sofrimento que podem trazer-nos de volta a um reconhecimento das realidades base da vida e que são essenciais para acordar o homem moderno ocidental do seu torpor tecnologicamente induzido. Quando tudo arde art-emgn-3nenhuma mulher vai queixar-se do patriarcado, nenhum homossexual vai insistir na sua perversão. Se insistirem vão rapidamente perecer. Os identitários gostam muito de falar nas práticas disgénicas da nossa sociedade, mas nunca mencionam o factor que permite esta disgenia generalizada: o progresso tecnológico. Pelo contrário, paradoxalmente encontramos entre eles alguns dos seus mais ávidos defensores. Nenhuma outra força permite numa escala tão grande a sobrevivência dos fracos, nem promove com a mesma ferocidade a complacência dos fortes. O avanço tecnológico é um sedativo gradual que leva ao equivalente social de um corpo vegetativo ligado a uma máquina.

Muitas sociedades e povos sobreviveram a invasões, nenhuma sobreviveu à decadência do conforto. Foram precisamente as sociedades afluentes, confortáveis e decadentes (uma combinação que não é um acaso) que foram incapazes de resistir aos invasores. Pelo que a solução não pode ser uma insistência e intensificação dos meios que geraram os fins que queremos evitar, mas sim uma rejeição desses meios e um retorno a uma forma de organização económica e social que não só reflicta os valores que consideramos certos, mas garanta a manutenção da sociedade de acordo com esses valores.

Maio de 68

Prof.-João-Carlos-Espada-pbO João Carlos Espada (JCP) publicou um texto que ilustra a vacuidade moral, a obsessão economicista e, sobretudo, a incapacidade de observar o mundo à volta e admitir um erro que caracteriza a Direita moderada.

A mundividência do JCP, talvez pela idade, talvez por teimosia, ou talvez por ser um marxista arrependido daqueles que se converteu tarde ao anti-Comunismo, não consegue conciliar a ideia de que o Capitalismo sem entraves e o relativismo moral andam de mãos dadas. Ou se consegue, continua a achar que os benefícios do primeiro justificam a iniquidade do segundo. Mais: se tiver de escolher, e não está sozinho nessa escolha, prefere que o capitalismo liberal continue, mesmo que para isso se tenha de destruir toda a moral absoluta, toda a identidade nacional e substituir as populações nativas por alógenos.

Não estou a exagerar quanto às opiniões da personagem. O próprio não tem problemas em admitir a total falência da sua filosofia, ou aliás, em ver a falência como uma vitória: «a legalidade da “República burguesa” saiu vitoriosa; e isso permitiu a vitória pacífica de CAR6805-29May68-001.jpgmuitas das ideias de Maio de 68.» E que ideias eram essas? Não as económicas, não o anti-capitalismo, a rejeição do sistema usurário internacional ou a oposição à sociedade de consumo. As ideias que saíram vitoriosas, e que tomaram conta da sociedade, foram as culturais: o relativismo moral e a liberdade absoluta do hedonismo que o acompanha. O JCP considera isto uma vitória, sem ironia. Mais, ele próprio admite que, sem a democracia e o capitalismo, essas ideias teriam sido impedidas de medrar: «a verdade é que, devido a essa vitória da “oligarquia burguesa”, as ideias libertárias de Maio de 68 puderam continuar a ser livremente defendidas — o que evidentemente não teria acontecido se tivesse ocorrido a revolução comunista.»

Se acham que estamos a citar fora do contexto, oferecemos a palavra ao JCP num parágrafo inteiro que sumariza toda a tragédia da sua mundividência:

«Muitos comentadores discutem hoje que avaliação devemos fazer das ideias libertárias de Maio de 68. É certamente um tema importante. Mas não creio que seja o essencial. O essencial é que, contra os anseios revolucionários de Maio de 68, a França permaneceu “burguesa” — isto é, livre e democrática. Por essa razão, pôde absorver muitas ideias de Maio de 68. Pela mesma razão, pôde e continua a poder também contrariá-las.»

As ideias libertárias a que se refere são as do relativismo moral que conquistou o Ocidente, aquele que destrói as relações hierárquicas na sociedade, que despreza os valores tradicionais, que envenena as relações naturais entre homens e mulheres, que idolatra a sodomia e os sodomitas, que esbate a coesão e identidade nacionais, que importa milhares de alógenos do terceiro mundo, que eleva o hedonismo e a ‘realização pessoal’ à razão de viver e ao objectivo a que todos devemos almejar. O JCP considera as concessões feitas em 1968, e por consequência os seus resultados, como algo que devemos aplaudir. Salvámos a democracia e o liberalismo, salvámos a pureza ideológica, e o resto que se lixe. Aqui aproxima-se mais dos ideólogos dogmáticos do Comunismo original, indiferentes aos resultados que a sua ideologia produz, do que do pragmatismo racional que é suposto representar.

Na sua obsessão económica, o JCP esquece que o Maio de 68 começou, não com as greves, mas com a ocupação das universidades e que este foi um prenúncio da subsequente e gradual ocupação, muito mais radical, permitida pela sua querida democracia liberal burguesa e que hoje é, sem grande protesto da Direita, o status quo académico. Mas rey_jean-pierre_1143_2005.jpgolhando de momento para a questão puramente económica, convém pensar como se conseguiu mobilizar toda a classe trabalhadora industrial (poderíamos dizer, o proletariado) para um protesto de tão massiva escala. A intelligentsia moderna que explica o apoio aos Nacional-Socialistas na Alemanha de Weimar meramente pela malícia da propaganda e do populismo, como se não houvessem razões para a população procurar alternativas à decadência total da república em questão, explica com a mesma cegueira os distúrbios proletários de Maio de 1968. Num caso como no outro, a Direita ignora ou menospreza as origens do fenómeno com a iniquidade ou ineficiência das soluções promovidas, como se não houvessem razões profundas para a revolta. Em 68 tinham-se passado mais de 20 anos desde a grande reorganização ideológica da indústria no mundo moderno, em que a capacidade produtiva Europeia se começava a exportar para a Ásia e América do Sul, e em que a inflação usurária se fazia sentir sobre o poder de compra e sobre a qualidade de vida que os trabalhadores podiam dar às suas famílias. A sua estratégia era errada e as suas alianças ignorantes, mas as suas preocupações eram válidas.

Os trabalhadores juntaram-se aos estudantes porque julgaram que as suas preocupações eram aliadas naturais das causas libertárias dos relativistas morais. Estes trabalhadores, com famílias para alimentar, não tinham capacidade nem disposição para perceber que a Esquerda Radical que ocupara as universidades (e a que, diga-se, o Partido Comunista Francês da época se opôs), queria tanto saber das suas aspirações mesquinhas de estabilidade laboral e salários que lhes permitissem manter as suas estruturas familiares intactas como os capitalistas. A Esquerda Radical queria sexo, drogas e rock n’ roll, como hoje quer sodomia, imigração de massas e mutilação genital. Note-se que, passados 50 anos, a classe trabalhadora ainda não percebeu a grande traição daqueles que lhes prometeram protecção e que em vez disso lhes deram hedonismo. Na última década, as novas gerações das classes trabalhadoras, já sem nada que reivindicar, sem famílias para proteger, sem trabalhos para manter, juntaram-se a eles, preferindo o hedonismo. Mas não os censuremos demais, pois de um lado e do outro não houve quem lhes oferecesse nada de melhor e da plebe não se pode, nem deve, esperar mais. O trágico é que, defendendo o contrário, os Comunistas percebiam este truísmo. Os liberais acharam que, sem pressões sociais, os valores tradicionais da plebe se manteriam intactos perante a grande subversão relativista que o seu sistema permitia.

Em Maio de 1968 era talvez natural e compreensível achar-se que a maior ameaça aos valores tradicionais vinha do Comunismo, não só pela ideologia, como pelo poder político que representava e pelas alianças culturais que mantinha no Ocidente (isto é, os relativistas morais). Meio século depois, os opositores do Comunismo, se o eram por razões morais (e hoje é difícil dizer se de facto o eram ou não), deveriam admitir o erro que cometeram ao promoverem o Liberalismo como força de oposição. Afinal, os valores que se combatiam em 68 não eram apenas económicos, e foram esses outros que ganharam a batalha, não através do Comunismo, mas através do Capitalismo. Já aqui o dissemos e voltamos a repetir, a combinação de mercado livre internacional e relativismo moral é a força mais destrutiva dos valores tradicionais, sobretudo pelo seu carácter progressivo e gradual, que não facilita a identificação do fenómeno e que essa combinação é absolutamente inevitável. Mas nem precisamos de ficar presos à teoria. Observando o trajecto das democracias liberais, bem como o trajecto paralelo que os países comunistas efectuaram, só uma boa dose de vaidade e dissonância cognitiva podem fazer com que não se admita o erro.

Sorriso de Raposa

Malcolm X é uma daquelas figuras que o zeitgeist moderno prefere não mencionar. Ao contrário de Martin Luther King, sempre aplaudido por todos os quadrantes por se encaixar nos desígnios das elites e promover todos os lugares comuns da nossa era, Malcolm X não faz parte dos santos seculares da historiografia oficial, pois era primeiramente conhecido por ser um opositor da integração entre os pretos e os brancos na América e favorecer o separatismo radical, uma ideia que levou inclusivamente a que se sentasse à mesa com dirigentes do Ku Klux Klan para discutir esta solução, demonstrando que a História muita vezes não é tão simples como a narrativa oficial faz crer. O que me leva a mencioná-lo aqui, no entanto, não é a sua defesa do separatismo racial, mas a exposição de uma outra ideia que também desafia a narrativa oficial.

Neste video, Malcolm X explica que a Esquerda na América age como defensora dos pretos americanos sem ter no entanto qualquer intenção de os ajudar, em contraste com a Direita, que não finge ter os pretos nas suas preocupações nem tem a pretensão de avançar as suas causas. Nem a Esquerda nem a Direita têm os interesses dos pretos em conta, segundo ele, mas a Esquerda, como uma raposa, diz que sim, sorrindo. A Direita, como um lobo, mostra os dentes por outras razões. Tendo isto em conta, Malcolm X conclui que a Esquerda é muito mais perigosa para os negros do que a Direita.

WITHERING-wolf-bearing-teeth

Eu penso que podemos e devemos aplicar a mesma analogia aos partidos e à intelligentsia de Direita em relação aos tradicionalistas. Os tradicionalistas sabem que a Esquerda não lhes tem qualquer simpatia e os antagoniza abertamente, mostrando-lhes os dentes com a intenção de atacar. A Direita mainstream, pelo contrário, como a raposa, pretende fingir-se amiga (ou pelo menos simpatizante) dos tradicionalistas, sorrindo, ao mesmo tempo que nas suas ideias e acções avança, premeditada ou ingenuamente, uma agenda completamente distinta, avessa e hostil à causa tradicionalista.

A Direita mainstream em Portugal (e no resto do Ocidente) tem essencialmente duas bandeiras: a liberdade individual e a eficiência económica. A “Direita dos costumes” como lhe chamaram outrora, para todos os efeitos, na esfera mediática e partidária, não existe. Este fenómeno encontra-se muito bem sumarizado num excerto deste texto:

«A dimensão [dos] costumes tem sido menosprezada desde que o marxismo impôs o primado da economia, e antes de Marx já os liberais e os utilitaristas também davam maior importância à economia. Essa primazia não diminuiu, pelo contrário, com o aumento do rendimento e do conforto dos povos. A economia passou a ser o terreno onde se confrontavam as propostas políticas. (…) À direita, o vazio ideológico e a fraqueza política, aceitou-se a ditadura do politicamente correto. novo paradigma de revolução social. (…) a direita, jótica ou degenerada, abandona o combate cultural e adopta o niilismo relativista da esquerda. A direita socializou-se. Os valores passaram a ser rodapés de discursos eleitorais. Os políticos de direita aplaudidos pelos média são os que defendem o liberalismo de costumes, ainda que militem num partido democrata-cristão…».

Os tradicionalistas observam esta capitulação da Direita mainstream àquilo que chamam de ‘marxismo cultural’ e, até certo ponto, apontam-na como uma traição, para a qual não existe grande explicação fora da respeitabilidade profissional e da promoção pessoal. Eu considero no entanto que há um mal de raiz na matriz bipolar da Direita moderna, e que, apoiando o liberalismo económico, é apenas lógico e natural que apoiem o liberalismo social. São os Liberais com visões sociais tradicionalistas que estão em grave contradição.

Parte do problema começa no termo com que se designa a ideologia que pretende destruir todas as relações hierárquicas da sociedade tradicional através da destruição da moral que as sustenta: ‘marxismo cultural’. O termo é mal empregado porque, na prática e na teoria, não há melhor veículo para o pro-gayrelativismo moral, para a destruição das estruturas tradicionais e da moralidade subjacente a esta do que o liberalismo económico – e que portanto, e apesar das origens intelectuais dos seus promotores originais, o termo deveria ser ‘liberalismo cultural’ (o termo que prefiro, no entanto, é simplesmente ‘relativismo’). ‘Marxismo cultural’, apontando o epíteto dos seus promotores originais, esconde o veículo pelo qual ele se perpetua com sucesso. É inegável que os revolucionários culturais que deram origem à teoria se designavam como marxistas, mas foi no país mais liberal do mundo e principal baluarte dessa ideologia económica que a semente encontrou terreno fértil.

De onde vêm as modas e tendências que, ano após ano, destroem o tecido social? De onde vem o entretenimento que serve de veículo à propaganda relativista e que é responsável pela disseminação destas ideias? Vem dos países marxistas ou dos países capitalistas liberais? Não são as multinacionais – representantes maiores do capitalismo DHgIEh4UwAAJ4BIliberal e da globalização – os principais motores e promotores da imigração de massas, da bastardização da cultura, da ausência de identidade nacional e comunitária, da criação do homem-novo consumista, dos desvios e desviantes sexuais, dos estilos de vida alternativos, da sobresexualização da sociedade e da sexualização precoce – em suma, de todos os cancros sociais a que nos opomos? E que, muito mais do que através da retórica política esquerdista e da propaganda a que são submetidos na escola, é através do progresso tecnológico e do capitalismo global que estas ideias demoníacas se inculcam nas mentes do povinho?

Não observamos também que, nas sociedades que estavam fechadas ao capitalismo global, as mesmas ideias, promovidas agressivamente pelo sistema político, não medraram ao longo de décadas da mesma forma que se infiltraram, pela calada, nos países liberais? Como explicamos que os países de Leste, sujeitos a ditaduras marxistas usury and sodomy.JPGagressivas, sejam hoje os únicos onde ainda existe alguma identidade nacional, rejeição da imigração de massas e dos ‘estilos de vida alternativos’ e onde o Cristianismo ainda é relevante, não só na vida comunitária, mas nos destinos nacionais? A explicação é simples: ao contrário do Ocidente, o Leste esteve insulado do capitalismo global e, portanto, da lenta subversão dos valores tradicionais, que só a riqueza e o conforto conseguem promover e enraizar com extrema facilidade. A tragédia para estes países é que caso não tomem medidas para limitar as consequências económicas da globalização, as suas sociedades, tornando-se mais prósperas, vão contrair o vírus do relativismo liberal e acabar por destruir aquilo que cem anos de comunismo não conseguiram destruir.

Tendo nós uma visão sã do Homem e da Sociedade Humana, e sabendo que a liberdade de escolha leva necessariamente, na maioria da população, a um nivelamento por baixo, podemos continuar a ignorar que é através do liberalismo económico que aquilo que consideramos sagrado vai sendo destruído, lentamente, contaminando os nossos compatriotas, as nossas famílias, os nossos filhos? Que muito antes de ser legalmente enquadrado pelo Estado, o relativismo moral e cultural foi propagado através da sociedade de consumo massificado e da globalização?

Há quem considere a promoção do liberalismo nos costumes pela Direita uma aberração, mas na verdade não há contradição: a sua defesa da economia liberal, do progresso tecnológico, da eficiência económica anda de mãos dadas com a destruição do tradicionalismo. Não é pois de estranhar que a Esquerda dite o discurso e a Direita o aceite, pois pela sua própria moldura ideológica, não tem meios de o rejeitar. Reparem que não estamos a argumentar que o capitalismo liberal não é o mecanismo mais adequado para melhorar o nível de vida dos cidadãos: é inegável a eficiência do sistema em produzir riqueza material. O que estamos a argumentar é que a forma radical com que remove a pobreza material promove, na mesma medida, a pobreza espiritual e moral.

Na busca da prosperidade e do progresso tecnológico, na procura de melhorar o bem estar económico dos cidadãos e de tornar eficientes os mecanismos para esse melhoramento, a Direita promove o veneno que infecta o espírito da nação. É ingénuo achar que as mudanças económicas radicais que o capitalismo opera podem deixar as workbuyconsumedieestruturas sociais intactas. O capitalismo procura consumidores (a única categoria que lhe interessa) e sendo que a eficiência na obtenção desses consumidores é de suprema importância para a maximização dos seus lucros, a promoção de valores anti-tradicionais é inevitável, mais, é uma necessidade: a uniformização cultural, nacional e racial (através da plebeização da cultura, da promoção do internacionalismo e da imigração de massas) e a atomização do indivíduo (através da promoção de ‘estilos de vida alternativos’) são os veículos pelos quais se obtém o consumidor perfeito, ou seja, que se maximiza o lucro. O sonho do Internacionalismo Comunista só é conseguido, paradoxalmente, através do capitalismo liberal.

A Direita Liberal que ainda vai mostrando, pouco e esporadicamente, algum interesse pelas questões culturais e morais, ignora este fenómeno e vive numa dissonância cognitiva. Eu ignorei-o durante vários anos apesar dessa dissonância. O Liberal vê a 635952276665246516-755625981_consumerliberdade como a ausência de coerção pelo Estado, mas não vê a servidão imposta pelo capitalismo liberal, em que o homem é desligado da sua nação, da sua comunidade e até da sua família, pela promoção de uma cultura uniformizadora, degenerativa e ultra-individualista, que mina as fundações dessas relações primordiais. O homem moderno é tão indefeso perante o capitalismo liberal como o era perante o comunismo, a diferença é que no primeiro está bem alimentado, em conforto, e as suas raízes vão sendo arrancadas lentamente, sem se aperceber, e portanto, muito menos susceptível de se revoltar.

Concluímos portanto que o facto da Direita moderna ser liberal nos costumes (como a Esquerda), mas também liberal na economia (ao contrário da Esquerda), faz com que a Direita seja na prática uma ameaça maior à sociedade tradicional, ou o que dela resta. A sua combinação de liberdade individual e eficiência económica é a receita perfeita para a realização prática do relativismo: a desagregação da família, a destruição das instituições intermédias, a atomização do indivíduo. Ou seja, um tradicionalista tem muito mais a temer da Direita mainstream do que da Esquerda. Até a Direita abandonar o liberalismo económico o tributo que presta aos valores tradicionais não passa de um sorriso da raposa.

A Apologia da Ignorância

«Ignorância é felicidade e eu quero que o meu povo seja feliz»

A frase, por vezes atribuída a Salazar, cuja veracidade da atribuição não conseguimos averiguar, é apontada, quando é, em modo de escárnio e nojo pelos seus inimigos – querendo com isso atacar o homem pela sua suposta vontade de manter o povo ignorante para poder, despoticamente, controlá-lo. Aqui não é tanto a veracidade histórica que pretendemos discutir, mas a sabedoria intrínseca da afirmação, defender a sua intenção e fazer uma apologia da ignorância – e explicaremos a seu tempo o que queremos dizer com isto. Ou seja, se Salazar a tivesse dito, teria o nosso apoio e compreensão: o povo será sempre ignorante, e mais vale que o seja em consciência, do que inconsciente, podendo assim ser feliz na sua condição, e a governação continuar sem impedimentos criados pela soberba dos ignorantes. Ou seja, o exacto contrário do que acontece com o regime presente.

Em jeito de introdução, convém apontar que a ideia de que o Estado Novo quis manter a população ignorante através do analfabetismo generalizado é em si mesma um produto da ignorância, um mito criado pelas cliques cosmopolitas que governam Portugal desde o 25 de Abril, e que através das suas estruturas propagam a sua estirpe especial de ignorância disfarçada de catastrophic-human-ignorance-kmhh-7-638.jpgsabedoria. Apenas mais uma das mentiras torpes que o regime novo, fundado na rejeição do antigo, é obrigado a perpetuar para se justificar. Consultando os dados sobre literacia e analfabetismo, tal como de investimento na educação, durante o Século XX em Portugal, vemos claramente um esforço e uma conquista da parte do governo do Estado Novo em remover o grosso do analfabetismo e em promover a educação básica aos seus cidadãos. E no entanto, apesar da descida do analfabetismo ter continuado até praticamente ser zero nos nossos dias, os mitos sobre o Estado Novo permanecem contra toda a evidência, fundados numa ignorância voluntária da maioria da população. Se pensarmos que esta ignorância não se encontra somente nas classes mais baixas, desinteressadas do estudo e das questões da governação, a quem não aquece nem arrefece questões abstractas e intelectuais como os destinos do país, mas também – e com grande ênfase – nas camadas intelectuais, naquelas cuja vocação é precisamente congeminar, analisar, escrever e propagar ideias, vemos ilustrado o abismo entre as pretensões democráticas do votante informado e a realidade crua da natureza humana.

Entreviste-se o estudante médio de Ciência Política, de Filosofia, de História, ou até o graduado, ou o professor, e observe-se a ignorância voluntária a que se acomoda, a ausência de capacidade crítica, a disposição para aceitar todos os lugares comuns do seu tempo sem nunca os questionar, e conclua-se que educação e ignorância não são mutuamente exclusivos. platonic_caveA ignorância é o estado natural do Homem. Independentemente das ferramentas que se lhe oferecem, o cidadão comum vai continuar agrilhoado na Caverna, interpretando as sombras como realidade, mesmo tendo as chaves dos grilhões na mão e um manual de fuga na outra. Isto sem se falar na outra fatia populacional de quem não se espera qualquer afrontamento teórico abstracto, mas a quem a doutrina democrática também atribui responsabilidade na sua libertação. Os democratas esperam que uma vaca toque piano e surpreendem-se quando ela é incapaz de sequer perceber para que servem as teclas – mas se por acaso produzir meia dúzia de sons desconexos, tomam-no como evidência de que as vacas, de facto, podem ser pianistas. A pouco mais que isto se resume o sistema eleitoral de sufrágio universal.

A doutrina democrática assume, porque tem de assumir, que o povo é capaz de escolher os seus representantes, assim decidindo por interposta pessoa, os destinos do país. Mas só uma ingenuidade mortal, ou uma malevolência premeditada, poderia levar a que proclamássemos tão clara mentira como sendo a verdade. Mas sendo o regime fundado nessa mentira, as estruturas exteriores têm de se conformar a ela, sob pena de todo o edifício ruir. Daí nasce a obrigatoriedade da escolaridade muito para além do necessário ao desempenho da maioria das funções requiridas para o funcionamento da sociedade, primeiro até ao nono ano, depois até ao décimo segundo, e eventualmente, dada a parvoice progressiva do nosso sistema, até à licenciatura. Este estado de coisas só pode advir das duas origens que mencionámos, pois é por demais óbvio que a extensão da obrigatoriedade, ao invés de elevar o conhecimento e o pensamento crítico dos cidadãos, rebaixa a relevância e profundidade do ensino, reduz a motivação e dedicação dos professores, forçados a lidar com miúdos sem interesse no que lhes estão a tentar ensinar, e necessariamente faz cair as exigências de conhecimento para que a promoção deste novo patamar não resulte em inúmeras desistências do salto, ou em saltos que não elevem o atleta à altura desejada. A isto se chama reduzir ao mínimo denominador comum, tarefa que nenhum outro sistema concretiza com tamanha mestria como o democrático.

Quando Eva e Adão comeram o fruto da Árvore da Sabedoria não souberam o que fazer com o seu novo conhecimento. Também a maioria da população não sabe o que fazer com o que lhe ensinam para além das artes de contar, ler e escrever. Não sabem porque não lhe vêem qualquer préstimo, não lhes dá mais oportunidades de serem homens produtivos e morais, não lhes permite uma mundividência mais completa, pois incompleta será sempre a mundividência dos simples. No entanto, em grande parte, convence-os de que têm agora capacidade para 121323.JPGcompreender e opinar sobre assuntos que de facto não compreendem e cujas opiniões não são, na verdade, suas, mas regurgitadas em segunda mão com origem em figuras de autoridade – para mais, em muitos casos, caracterizados por uma arrogância natural e uma aversão a trabalhos manuais para os quais serão, na verdade, mais dotados. Mostrem-nos um ignorante orgulhoso, e nós desvendamo-vos um universitário moderno. Mas o ignorante convencido da sua sabedoria continuará, na verdade, mais interessado na baixa cultura do seu tempo, crente sem crítica nas convenções que lhe colocam à frente dos olhos como verdadeiras, ingenuamente interpretando as notícias e os seus veículos como fidedignos, ouvindo os seus professores como autoridades, incapazes de entender que eles foram e são como eles – ignorantes que, na verdade, não dão para muito mais.

A maioria da população, agora como sempre, é atraída quase exclusivamente por pães e actividades circenses – sendo o tipo de pão e o tipo de circo as únicas variáveis. E isto não é uma crítica, é uma apologia. O que nos separa do pensamento vigente é, em primeiro lugar, reconhecer esta inevitabilidade, sejam quais forem os anos obrigatórios de escolaridade e as exigências cívicas dos cidadãos, e em segundo, não lamentarmos essa condição, pois fingir que se pode evitar o inevitável, como já dissemos, só pode ser produto de ingenuidade ou de malevolência. E como tal, prescrevemos um sistema que leve em conta esta realidade, um sistema que não finja que todos podem e devem ser filósofos-reis, quando a maioria não serve para bobo da corte. Consideramos uma aberração que se peça opiniões e se exijam decisões sobre o mundo real, a quem só o conhece pelas sombras reflectidas nas paredes.

Quando a Revolução Protestante declarou que o comum mortal podia, e devia, interpretar a Bíblia pelas suas próprias luzes, abriu-se a Caixa de Pandora das mais torpes e idióticas interpretações, tudo e o seu contrário podia ser encontrado nas media_propaganda_by_trosiousEscrituras a partir desse momento, e com efeito, encontrou-se – pois se há matéria infindável no universo é a da estupidez humana. Em vez de ser um veículo para procurar a Verdade única, foi o meio de a esconder e soterrar em mil mentiras. O mesmo se pode dizer do presente zeitgeist, em que perante a infindável biblioteca da Internet, o cidadão comum continua mais interessado na vida das celebridades, nas novelas e filmes e músicas da baixa cultura em que elas se distinguem sem distinção, no futebol e nas suas narrativas, exercendo a sua capacidade crítica em assuntos em que ela não tem préstimo, porque não dão para mais e simultaneamente aceitando sem crítica, sem a sombra de uma dúvida, o que um actor que se convencionou chamar de pivô lhe diz todas as noites ou todas as manhãs sobre o país e o mundo. Porque, repetimos, não é capaz de mais, e é um ultraje, uma irresponsabilidade e uma violência exigir-lhe mais. Mas exige-se, com resultados atrozes.

A diferença entre um electricista com a quarta classe durante o Estado Novo e um universitário dos nossos dias é que o electricista não tinha a soberba de achar que a sua opinião valia muito fora dos limites do seu mister; o antigo tinha a humildade de dizer ‘não sei’ e aquela ainda maior de dizer ‘não quero saber’. Isso, e provavelmente escrevia melhor o português. Por esta ignóbil situação temos de agradecer aos sucessivos aumentos da escolaridade obrigatória e à estupidez congénita de perguntar a todos aquilo que só alguns podem saber. Afinal, são aqueles que agitam os fantoches formando as sombras que iludem o cidadão comum, os mesmos que perpetuam a mentira de que este vê a realidade tal como ela é.

Por isso fazemos a apologia da ignorância, não porque gostemos dela mas precisamente por não gostarmos. Um sistema que finge que ela não é o destino da maioria, está condenado a generalizá-la e a dar-lhe poder, em vez de a limitar e a manter inofensiva. Devolvamos ao povo o privilégio de ser ignorante sem culpa, e devolvamos aos capazes o dever do governo sapiente.

Apatia Mortal

Introdução

Apesar de na grande maioria dos países Europeus não se poder manter estatísticas criminais discriminadas por etnia, é um segredo mal guardado que a criminalidade violenta é um ofício praticado em grande parte por indivíduos de origem não-Europeia.

Com o influxo migratório que a crise de ‘refugiados’ trouxe à Europa o número desses crimes aumentou exponencialmente, como já tinha vindo a aumentar nas últimas décadas com a mais calma, mas ainda assim grande, enxurrada de emigrantes de países africanos e asiáticos. Muito já refugees-welcomese escreveu sobre o assunto, por antagonistas e apologistas. A identificação de padrões como o acima descrito sobre a criminalidade e a sua relação com a etnia é uma das coisas de que os média alternativos se orgulham de providenciar, tendo em conta a total ausência dessa identificação (ou mesmo omissão maliciosa) desses padrões. No entanto há um ângulo que é quase sempre ignorado (e dizer quase é ser generoso), mas que me parece ser extremamente importante, senão mesmo determinante não só para se entender o fenómeno, mas também para encontrar soluções para o mesmo.

Há essencialmente duas narrativas referentes a estes crimes: os média tradicionais têm a narrativa globalista, muitas vezes ocultando (ou tentando ocultar) as origens étnicas e religiosas dos prevaricadores – quando não é possível ignorar os crimes; os média alternativos (blogs, canais de youtube, alguns jornais online) avançam a narrativa nacionalista, salientando o carácter de invasão, de que estes crimes são cometidos não por nativos, mas sim por elementos estranhos à sociedade em que são perpetrados, racial e culturalmente. A narrativa que nunca vejo avançada, ou sequer mencionada, é nem nacionalista nem globalista (embora claramente mais simpatizante com a nacionalista, pelo menos em termos de objectivos), e é a narrativa moralista, que é a que venho apresentar aqui hoje, e que já mencionei algumas vezes no podcast.

Acho que é possível comparar o problema da invasão do terceiro mundo e dos crimes cometidos pelos invasores com o problema das armas e dos massacres perpetrados por exemplo nas escolas (como este caso recente). Em ambos os lados encontramos a narrativa materialista: da Esquerda querem proibir as armas, na Direita permitir o acesso a armas para efeitos de auto-defesa. Também aqui concordo muito mais com a Direita (já que a auto-defesa é um direito e um dever), mas não deixa de faltar ao seu argumento (muitas vezes) uma dimensão não-materialista. A origem do problema, e logo a sua solução última, não está na posse ou na ausência de armas – mas na alienação social, nos fármacos providenciados e na ausência de escapes adequados para jovens direccionarem a sua energia.

Mas se este problema é algumas vezes apontado pela Direita, juntamente com a sua defesa da posse de armas para auto-defesa, a verdade é que no caso da imigração esta outra (mais fundamental) identificação do problema é raramente mencionada.

Por isso vamos rever alguns dos casos mais famosos (ou mais macabros) e evidenciar este problema que raramente é mencionado, ou sublinhado, nos artigos que nos apresentam as histórias ou nos comentários que se fazem a eles.

O Escândalo de Rotherham

Este escândalo foi de tal forma grande que nem os média tradicionais o puderam ignorar quando rebentou, e consiste no abuso sexual de raparigas menores, ao longo de vários anos, por parte de grupos de paquistaneses. Tais abusos foram facilitados pela reluctância das autoridades em investigar os homens envolvidos por estes serem de uma minoria étnica (a BBC refere-se a eles rotherham-groomingcomo ‘asiáticos’, mas as fotos desfazem a confusão sobre a que parte da Ásia eles pertencem). O medo de serem acusados de racismo foi maior do que a vontade de descobrir a verdade sobre estes abusos, daí que eles tenham decorrido durante vários anos.

Este episódio teve um precedente, raramente mencionado, em que um ‘casal’ de sodomitas que tinha adoptado vários rapazes abusava frequentemente das crianças e usava o sistema de adopção (e a apatia dos serviços de adopção) como forma de acesso a rapazes para violar. Tal como em Rotherham, as autoridades não investigaram aquilo que era uma situação mais do que suspeita por medo de serem acusados de homofobia. Ao contrário de Rotherham, não houve grande publicidade ou agitação nos média (tradicionais ou alternativos). E usando este caso podemos apontar as causas óbvias, materialistas: a cobardia dos serviços de adopção, a falta de investigação sobre quem quer adoptar. Mas mais importante é apontar, a meu ver, uma sociedade que permite e encoraja a adopção de “casais” do mesmo sexo, e o próprio facto de que tantas crianças Europeias são concebidas fora do casamento e dadas para adopção. Ou seja, sublinha a existência de um problema moral, social, muito antes de ser um problema policial.

Similarmente, a primeira coisa a notar sobre Rotherham, e que foi de facto apontada pelos média alternativos, é a chocante realidade de que o homem Europeu tem mais medo de ser acusado de ser racista (ou homofóbico) do que tem vontade de justiça, preferindo legar menores ao abuso sexual e deixar os abusadores em liberdade. Isto seria já de si extremamente demonstrativo da apatia Europeia, mas a verdade é que essa apatia não fica por aqui – e é precisamente esta parte seguinte que é frequentemente ignorada, mas que é talvez ainda mais ilustrativa.

Este artigo conta as histórias, na primeira pessoa, de algumas das raparigas. ‘Sarah’, por exemplo, conta que foi levada com 11 anos por outra rapariga, que lhe mostrou ‘o que fazer’. ‘Jessica’, com 14, conta como um dos homens parou o carro ao pé dela e dos amigos e que foi assim que entrou em contacto com eles. Diz ela que ‘gostava dele e que queria estar com ele’, e que os pais diziam que ela não devia, que ele era muito velho, mas ela ‘não queria saber’, estava ‘fascinada por ele’. O pai ainda foi à polícia, mas como a rapariga ia voluntariamente com o homem, não podiam (e não queriam) fazer nada. ‘Emma’ conheceu os seus abusadores com 12 anos, seduzida pela promessa de drogas e álcool. As violações começaram pouco depois e as ameaças à mãe da rapariga levaram a que ela não fizesse queixa dos homens às autoridades.

Noutro artigo temos uma história com mais detalhes. Outra Sarah, desta vez nome verdadeiro, conta por exemplo que também ela foi apresentada, com 11 anos, aos homens por uma rapariga mais velha, de 15, com promessa de erva e álcool. Estas levaram, ao fim de dois anos, a cocaína e anfetaminas. Os abusos sexuais faziam parte da rotina: os homens iam buscá-la a casa e levavam-na de carro para vários locais onde o consumo de drogas e os abusos eram praticados. A rapariga vivia com a mãe, e apenas com a mãe, e com 3 irmãos. A mãe tinha dois trabalhos e sempre que tentava impedir a filha de ir com os seus violadores ela reagia violentamente, pois queria as drogas que eles providenciavam. Diz ela ‘eu tive 15 homens a puxar-me para fora de casa dos braços da minha mãe, mas eu odiava-a’.

Por fim, conta ainda a história da irmã mais nova, Laura, que aos 15 anos começou uma relação com um paquistanês de 16 anos. Ao fim de uns tempos acabaram e ela teve um outro caso com um amigo dele, também muçulmano, de quem engravidou. Depois voltou para o seu ex-namorado que, após descobrir que ela contara a história à família dele, decidiu matá-la por ter trazido vergonha e desonrado a sua família.

A história de Rotherham pinta um quadro de desolação social, desagregação familiar e apatia comunitária, sem o qual estes abusos continuados não poderiam existir. Se eliminássemos os imigrantes muçulmanos, não eliminaríamos o problema, apenas um dos seus sintomas. A facilidade e até celebração com que o Ocidente recebe hordas de imigrantes é em si um resultado da mesma desolação, desagregação e apatia. Quem vive numa lixeira pode andar constantemente a matar os mosquitos, mas sem se livrar do lixo não se livra da praga.

Rapariga Italiana desmembrada

Um dos casos mais recentes foi o de Pamela Mastropiero, uma rapariga de 18 anos encontrada morta e desmembrada dentro de malas de viagem. O primeiro homem acusado pelo crime foi um nigeriano de 29 anos, já conhecido das autoridades por ser um traficante de droga. Haxixe foi encontrado na sua casa. A rapariga, entretanto, era drogada e acabara de sair da clínica de reabilitação – a sua morte ocorrendo no dia seguinte.

Que conclusões podemos tirar?

Bom, os artigos são muito limitados na informação que dão porque, como eu disse, são focados na causa material, nunca nas situações e disposições que levaram à conclusão. Mas pelos pormenores dados não é difícil de adivinhar que a rapariga, com 18 anos e já viciada em drogas, saiu da clínica (não se sabe se contra as recomendações dos médicos, ou com o seu aval) e no mesmo dia foi procurar um traficante (o tal nigeriano), aparecendo no dia seguinte morta. Ou seja, foi procurar uma forma de morte e encontrou outra. Por mais macabro que o crime seja, por mais repulsivo que o assassino seja (ambas as coisas indisputáveis), o crime não teria acontecido sem a acção da rapariga em questão. E mesmo que o traficante fosse italiano, e que em vez de a matar se tornasse o seu vendedor frequente, poderíamos dizer que não havia nenhum problema? Quanto tempo até morrer de overdose? Quanto tempo até se prostituir para arranjar mais uma dose? E seria este destino melhor só porque a sua morte seria mais lenta, consentida, e com a ajuda de um Europeu, em vez de um Africano?

Se a nossa sociedade não estivesse caída num hedonismo suicidário, num abismo de alienação, esta história não existiria.

Rapariga Alemã esfaqueada

O título do artigo no site da Identity Evropa lê ‘Migrante Afegão assassina rapariga alemã de 15 anos’. O artigo em si não adianta grandes pormenores: afirma que o assassinato ocorreu numa loja devido a uma discussão (não se sabe sobre o quê) e mais nada sobre o crime em si. É curioso, mas é preciso ir aos média tradicionais para se encontrar detalhes que oferecem alguma perspectiva (neste caso a omissão maliciosa está do lado da narrativa nacionalista, mais uma vez mostrando que muita gente nos média alternativos se recusa a encarar o verdadeiro problema): a rapariga era, afinal, ex-namorada do assassino. O artigo diz, na voz da mãe da rapariga, que antes dela terminar o namoro com o rapaz, a família o tinha recebido de braços abertos. Também aqui as autoridades nada fizeram: aparentemente, depois da rapariga ter acabado com ele, o rapaz começou a persegui-la online e a causar distúrbios com os amigos dela.

Mais uma vez urge perguntar se, numa sociedade em ordem, com uma população moralmente sã, com famílias intactas, com um sentido de identidade e comunidade, se este crime, ou mais especificamente, as circunstâncias que levaram ao crime, poderiam ter acontecido. Não só a rapariga de 15 anos (!) entrou numa relação amorosa (e, deduz-se, sexual) com um emigrante afegão, como a família aceitou essa relação abertamente, convidou o futuro assassino para sua casa e, por fim, a rapariga decidiu terminar o namoro (algo que é cada vez mais comum entre as mulheres ocidentais, seja nas suas relações com Europeus ou não-Europeus).

Aposto que estas minhas considerações vão ser mal-entendidas por muita gente, mas não consigo, nem acho benéfico, ignorar o grande problema de lealdade entre os ocidentais, e em especial entre as mulheres ocidentais, que repetidamente correm para os braços dos refugiados, desde as mais tenras idades, com a apatia ou apoio dos pais (quando estes têm conhecimento, ou fazem parte das suas vidas de todo).

Na ausência dos ‘refugiados’ que se tornaram o objecto e maior emblema dessa falta de lealdade, de alguma outra forma essa falha moral se manifestaria. E o Ocidente continuaria em declínio mortal, deixando as suas raparigas e mulheres sexualmente livres para experimentar, desperdiçarem a sua fertilidade e beleza, e não produzirem descendência, ou produzirem uma descendência igualmente desligada de valores e normas de comportamento decentes que perpetuariam o ciclo de degeneração.

Outra rapariga Alemã

Esta outra rapariga alemã, de 19 anos, estudante de medicina, saíra de uma festa organizada pela faculdade às 2:37 da manhã e no caminho para casa, que percorria de bicicleta, foi violada e afogada no rio por um emigrante afegão. Como o Daily Mail observa, ‘ironicamente’ a rapariga fazia voluntariado em part-time para ajudar os ‘refugiados’. A polícia acredita no entanto que o agressor e a vítima nunca se tinham conhecido. A rapariga também fazia parte de uma iniciativa no Facebook chamada ‘Refugee Help Freiburg’.

A família, posteriormente, pediu oficialmente que, quem quisesse mostrar compaixão pelo sucedido, doasse dinheiro a uma instituição de caridade que ajudasse os ‘refugiados’.

Tal como no episódio anterior, uma sociedade sã, com as prioridades certas, não produziria esta situação. A mesma rapariga há 50, 100 ou 200 anos atrás não estaria numa festa, não estaria a estudar, mas sim em casa, com o marido e, provavelmente, com os filhos.

Não é possível desligar a libertação sexual, o acesso das mulheres à educação, a desagregação ou inexistência da família do problema migratório. A apatia e o hedonismo que levaram a uma coisa levaram também a outro. E mesmo que se resolva um dos problemas, mantém-se o problema original que levou à sua existência.

Como o Afonso muito bem observou num comentário a um episódio do podcast, a Direita em geral concorda na identificação dos problemas, e concorda com as soluções directas, mas é duvidoso que concordem com a identificação das causas mais profundas que estão na origem destes problemas (no caso, tratava-se da prostituição ‘soft’, como lhe chamam, praticada por miúdas de classe média de pais divorciados – e da reluctância de muita Direita em proibir o divórcio).

Rapariga Finlandesa Assassinada

Uma rapariga Finlandesa de 17 anos foi assassinada por um rapaz afegão que a violou, encharcou em gasolina e lhe pegou fogo. O contexto? Namoravam há um mês quando a rapariga quis acabar a relação para namorar com outro homem, enquanto que o namorado queria que ela se casasse com ele e fosse mãe dos seus filhos. Como ela não cooperou, ele atacou-a enquanto ela fazia jogging. Seja ou não verdade o que o ‘refugiado’ disse sobre querer casar e ter filhos, importa pouco para ilustrar a falha moral da parte da rapariga, que é o que me importa documentar.

Penso que não preciso de repetir a ladainha. O problema é exactamente o mesmo, apenas a manifestação é ligeiramente diferente, com outro cenário e noutro país. Mas a patologia social não muda.

Violação e violência na Suécia

Três raparigas adolescentes e um rapaz encontram-se para uma festa num apartamento nos arredores de Estocolmo.

Uma das raparigas convidou um emigrante da Libéria de 21 anos, que já conhecia. Este trouxe outro emigrante, do Quénia. Pouco depois, os dois emigrantes atacariam o rapaz (deixando-o com danos cerebrais permanentes) e violariam as raparigas.

Este é o último exemplo que aqui apresento. Tal como nos exemplos acima, revela exactamente o mesmo hedonismo, a mesma apatia, a mesma hipergamia feminina fora de controlo, a mesma efeminação masculina que é implícita ou explícita (um dos exemplos que não consegui encontrar o link, mas que me lembro de ler foi de uma jovem, se não me engano italiana, que convidou um ‘refugiado’ para o seu apartamento para ter sexo, e que foi depois encontrada morta pelo namorado, Europeu – o exemplo perfeito da falta de lealdade de que falamos).

Conclusão

Note-se que não mencionámos absolutamente nada (pois já muito se disse noutras paragens) sobre a política e os políticos, as decisões judiciais e os seus decisores, os organismos oficiais e instituições, etc, que vão maioritariamente no sentido da leniência para com os criminosos, de abertura das fronteiras e de apoio aos ‘refugiados’ a todos os custos. E também não mencionámos os atentados terroristas que são paralelos a estes outros crimes pontuais. Estes outros resultados são causados, ou no mínimo facilitados, pela mesma apatia para que chamamos a atenção.

Esquecendo portanto esses outros fenómenos a nível institucional, a nível individual a verdade é que encontramos caso atrás de caso em que são os Europeus (e em especial as Europeias) a convidar a sua própria destruição, seja num sentido mais global de quererem os ‘refugiados’ dentro das suas fronteiras, seja num sentido mais particular de os quererem dentro das suas casas e dos seus corpos. Caso atrás de caso em que a alienação, o hedonismo, a apatia, a desagregação da família e da comunidade, a falta de entraves à hipergamia feminina, a efeminação e impotência masculina, em suma, a morte espiritual dos Europeus, são a linha melódica que liga os vários movimentos desta sinfonia trágica.

E é indiscutível que existem muitos outros casos em que as vítimas (ou os pais das vítimas) não têm qualquer responsabilidade passiva, em que não procuraram a morte mas a encontraram na mesma às mãos dos bárbaros, mas arriscaria dizer que a maioria, senão uma esmagadora maioria, destes crimes se encontra na primeira categoria de ‘morte convidada’, e ignorar esta disposição suicidária nos Europeus é ignorar uma parte importantíssima da história, sem a qual o problema migratório não existiria em primeiro lugar, nem é passível de ser entendido e logo, de ser resolvido, satisfatoriamente e de uma vez por todas.

O facto é que existem igualmente inúmeros outros casos de mulheres que procuram os ‘refugiados’ para sexo sem que tenham o desfecho violento que vimos nos casos acima, que sublinham a mesma falta de lealdade, o mesmo hedonismo, a mesma apatia, o mesmo suicídio.

Podemos rever alguns dos mais conhecidos. Como o da rapariga Mórmon americana que, ao invés de ajudar as pessoas na sua comunidade, decidiu ir para um campo de refugiados na Grécia e acabou por se ‘apaixonar’ por um deles.

Ou as inúmeras mulheres suecas que levam ‘refugiados’ para casa que, supostamente, são menores de idade para terem relações sexuais com eles. As mesmas mulheres que, apesar do aumento enorme do número de violações, reagem desta forma quando alguns, poucos, adopt-refugee-1homens decidem protegê-las dizendo para os emigrantes tirarem as mãos das suas mulheres, elas respondem dizendo que não são deles coisa nenhuma.

Ou as também inúmeras mulheres britânicas que foram fazer voluntariado para a ‘selva’ de Calais para ter sexo com os ‘refugiados’, algumas com vários em cada dia.

O episódio mais grotesco, e ao mesmo tempo mais icónico, é o da mulher branca a ter relações sexuais com um ‘refugiado’ africano em cima de uma pilha de lixo. Orwell escreveu há umas décadas atrás que se quiséssemos uma imagem do futuro que imaginássemos uma bota a pisar um rosto, para sempre. Orwell, no entanto, provou ser extremamente ingénuo. Acho que podemos actualizar a frase e dizer, que se querem uma imagem do futuro Europeu imaginem um ‘refugiado’ a ter sexo com uma Europeia sobre uma pilha de lixo, para sempre. Enquanto não mudarmos o ímpeto na alma Europeia de se rebaixar a tal forma, de se destruir tão ilustrativamente, não podemos mudar nada.

Mas como evitar este futuro? Infelizmente não existem soluções fáceis nem instantâneas. O que sei por certo é qual não é a solução. E a solução não é continuarmos com um liberalismo, permissividade, matriarcado, degeneração puramente brancos. A solução não é removermos os imigrantes e continuarmos a indulgir no hedonismo que resulta na apatia que os convidou em primeiro lugar e que os continua a convidar. Afinal de contas, ainda não há muitas décadas os nossos países eram homogéneos, e essa homogeneidade resultou neste destino. Já existia algo de muito errado na nossa civilização, e nas almas das pessoas que a constituíam.

O nosso suicídio não será menos estrondoso, nem menos trágico, se for consumado apenas entre Europeus. Sem uma mudança estrutural, não só política, mas espiritual (sem a qual a política não pode suceder), sem retornar à tradição Cristã, ao patriarcado que o Ocidente rejeita mas que o Islão, bem ou mal, representa, o Ocidente não tem salvação. A luta não será sequer uma luta. A sociedade patriarcal vai vencer. Será simplesmente uma questão de saber se será a nossa, ou a deles.

Em Busca de uma Identidade Impossível

No Jornal da História, edição Século XXI, na secção dos classificados, pode ler-se o seguinte anúncio: Homem Europeu procura Identidade. Assim, sem mais especificações. O homem europeu, como a rapariga gorda, não pode ser esquisito. Não há, simplesmente, muito por onde escolher. E assim, no capítulo da oferta de identidades, o homem europeu tem respostas, mas images.duckduckgonenhuma delas boa. Não o podemos censurar por escolher agarrar-se ao que existe. De um lado, as ideologias (igualitarismo, relativismo, etc); do outro, o mínimo denominador comum (a raça). Desesperado, sem rumo, escolhe uma delas. As ideologias oferecem-lhe um propósito, uma causa, por mais contraditória ou contraproducente; a raça oferece-lhe uma comunidade, por mais artificial que seja. Nenhuma das duas é uma identidade (identidades pré-fabricadas, prontas a usar na lapela, não existem) mas com uma dose razoável de cegueira auto-imposta, as lutas que não necessitam do seu esforço servem para disfarçar a sua verdadeira identidade: o consumismo cosmopolita.

Comecemos pelas ideologias. Nos bons velhos tempos em que ainda haviam identidades nacionais deste lado do mundo, as várias nuances marxistas eram puramente económicas. Eram o fruto de uma interpretação ignorante das acções humanas e de uma inveja mal escondida pelo sucesso. Hoje, ninguém adere a essas ideologias por razões económicas. Em 90% dos jovens, de um lado ou do outro da barricada, a ideologia económica é a mesma: uma economia mista, onde o pior do comunismo e o pior do capitalismo se encontram numa apoteose brilhante de mediocridade. Nenhum membro dos Antifas é animado realmente pela tomada dos meios de produção. Aliás, produzir é a última coisa que querem. Querem destruir. E esperam que a sua destruição criativa gere frutos. É uma identidade que procuram nessa destruição, iludidos de que ainda existe algo para destruir enquanto espezinham as ruínas do que foi a civilização.

Do outro lado, temos o homem europeu que, com um pouco mais de clareza, entende (consciente ou inconscientemente) os objectivos destrutivos do primeiro grupo, e procura algo mais construtivo. Mas estão mais ou menos iludidos sobre a mesma coisa: pretendem proteger um castelo cujas muralhas já foram destruídas, ou pretendem erigir muralhas para proteger um castelo que já é do inimigo. A comunidade não existe. A nação, por extensão, também não. Sobe-se um degrau. E acima está a raça. Às vezes é engraçado ver as discussões online nos fóruns photo_2017-11-14_21-49-20.jpgdedicados ao assunto: o Português é mesmo branco? Será que gostar disto ou daquilo me desqualifica como branco? Ou então ver o saudosismo de aspiração: éramos Gregos e Romanos e tal e coiso. É engraçado até ser deprimente. Tal como o primeiro grupo, procuram uma identidade onde ela não existe. Acabam a dar a volta ao círculo e, numa divina ironia, advogar algo semelhante ao pan-Africanismo. Ora, África nunca teve nações nem nacionalidades. Teve e tem grupos (muitos deles ainda lutando violentamente pelo controlo das entidades políticas criadas pelos europeus para exterminarem ou escravizarem os outros grupos dentro das suas fronteiras), mas nada que se assemelhe às nacionalidades que surgiram na Europa. Não por acaso, e tal como a Europa previamente com o Cristianismo, há outro verdadeiro unificador no horizonte para África: o Islão. Sendo um sistema total, de crenças ontológicas até às políticas, o Islão oferece um ponto de convergência que a raça, por si só, não oferece.

Não sou íntimo conhecedor das várias identidades africanas, mas tendo em conta que as entidades políticas africanas são artifícios, o pan-Africanismo, apesar de igualmente espúrio, continua a fazer mais sentido do que o chamado ‘nacionalismo branco’, que é nada mais do que pan-Europeísmo. Não há absolutamente nada em comum entre as várias etnias europeias. A Europa já esteve de facto unificada sob uma bandeira, Cristo, mas longe vão os tempos – e muitos dos defensores do Nacionalismo Branco consideram o Cristianismo uma conspiração judaica para subjugar a alma virtuosa, e pagã, dos Europeus. Onde podiam encontrar uma verdadeira identidade, rejeitam-na. Mas mesmo os que juntam a sua identidade racial à sua identidade religiosa, esquecem que essa identidade nunca esteve ligada a considerações étnicas e que não nasceu da procura de uma identidade – e que se a razão para aderirem é essa procura, nunca a vão concretizar. Há uma expressão para o fenómeno: LARPing, versão curta de Live Action Role Playing. Não digo que não sejam sinceros. Até podem ser. Mas os meios utilizados não vão gerar os efeitos desejados.

D. Afonso Henriques pode ter criado Portugal como entidade política, mas não foi ele que criou a identidade portuguesa. Como qualquer conceito nebuloso, não é sequer fácil apontar o que é ou não é uma identidade nacional. Mas podemos pelo menos concordar que ela não depende das acções de uma pessoa, mas dos hábitos e vidas dos habitantes da Nação. Olhando para os hábitos benficae vidas dos habitantes, conseguimos logo perceber porque é que não existe uma identidade especificamente nacional, nem aqui nem em qualquer outro país europeu. E se antes ao menos tínhamos um mito de fundação nas conquistas de D. Afonso, hoje o mito de fundação português é o 25 de Abril. Ou seja, é um mito de fundação que rejeita aquilo que era a identidade portuguesa, e pretende fundar uma nova. Meus caros, bem vindos ao vácuo que é a identidade portuguesa no Século XXI. O 25 de Abril como mito representa uma coisa: a abertura de Portugal ao mundo. Antes estávamos orgulhosamente sós, depois ficámos orgulhosamente acompanhados.

Admita-se que é difícil hoje imaginar um país fechado à cultura além das suas fronteiras. Não só a tecnologia permite o acesso a espaços e tempos distantes, mas o enquadramento político acompanhou a tecnologia e não oferece qualquer entrave a esse acesso – esse era um dos objectivos afinal de contas. O 25 de Abril foi feito para podermos beber Coca-ColaTM e ver o Marlon Brando sodomizar a rapariga com a ajuda da manteiga. Longe vão os tempos em que a música, os filmes, a culinária ou a religião de terras distantes era largamente inacessível, e em especial ao cidadão comum. A procura adapta-se tanto à oferta como a oferta se adapta à procura. Talvez na época fosse impossível de antever, mas hoje é possível observar, os efeitos dessa abertura.

As pessoas da minha geração (a Y, os millennials), cresceram tanto ou mais influenciados pela cultura anglo-saxónica, em especial americana, como por qualquer coisa feita em Portugal. Em boa verdade, e por causa dessa influência, não somos bem portugueses, mas um híbrido cosmopolita – e não somos um caso especial, as outras nações (sobretudo do lado ocidental) sofrem do mesmo. Esse híbrido cosmopolita é a verdadeira identidade europeia moderna. Se somos portugueses em algumas coisas (das castanhas ao bacalhau, do café ao futebol), a verdade é que somos menos portugueses do que os nossos pais, e que eles mesmos eram menos portugueses que os seus pais.

Antigamente, só as classes altas tinham acesso à cultura de outros países – isto é, a outras culturas das classes altas – enquanto que as classes médias e baixas eram fechadas entre si. Podia dizer-se que as classes altas eram cosmopolitas, e mais semelhantes culturalmente entre si do que às classes baixas dos seus respectivos países. É importante mencionar de passagem que as aristocracias europeias tinham laços de sangue partilhados, e eram igualmente mais próximas umas dos outras geneticamente do que das plebes nacionais. O nacionalismo clássico, de há cem anos atrás, provou ser um movimento democrático precisamente por isso: a identificação da classe governativa com a classe governada.

Mas o nacionalismo clássico falhou na prática, porque era na realidade uma contradição em termos. Durante Séculos a distinção entre governantes e governados manteve a identidade intacta. Outros factores determinaram a mudança mesmo com a alteração dessa circunstância. A tecnologia, e com ela a democratização da cultura plebeia, foi o que acabou com as identidades nacionais milenares. Não só acabou com a cultura aristocrática, como aproximou as culturas plebeias umas das outras. E embora seja notório que existem diferenças culturais entre os portugueses e os ingleses, ou entre os suecos e os alemães, a verdade é que essas diferenças são cada vez menos marcadas e cada vez mais irrelevantes. Geralmente, são ligadas a elementos que ainda estão condicionados por factores locais e que não podem tão facilmente ser democratizados como a informação. A culinária por exemplo é muito mais particularizada do que as opiniões políticas, pois está ainda até certo ponto ligada aos alimentos produzidos ou importados, que por sua vez ainda estão ligados à tradição do país. Mas estão apesar de tudo num estado retardado de actualização, e adivinha-se, tendo em conta que já há muito que todos os países têm acesso a alimentos de todo o mundo a qualquer momento, que também aí as diferenças continuem a esbater-se. Não me lembro da última vez que vi, numa carta de sobremesas, a expressão ‘fruta da época’. Porque a época já não importa para a disponibilidade da fruta.

A questão do nacionalismo já era complicada quando surgiu, tendo em conta a distinção entre a tradição política (aristocrática) e a sua distância cultural e genética da classe que governava. Mas hoje, é ainda mais complexa. Quando o PNR repete o seu slogan ‘Portugal aos Portugueses‘ (que sabemos não ser sério, pois o seu programa nem sequer postula sair da União Europeia), tomado do ponto de vista étnico é fácil identificar quem faz e não faz parte dos ‘portugueses’. Mas em termos culturais, e deixar-se de fora esse componente é impossível, qual é o ingrediente especial que nos distingue? Não só a ‘cultura portuguesa’ moderna é em muito img_0796.jpgindistinguível das outras culturas plebeias da Europa, como é transversal entre portugueses étnicos e africanos. Mais: uma boa parte da cultura que é mais ou menos exclusiva a Portugal é adoptada por portugueses étnicos, mas produzida pelos africanos. O mesmo se observa nos outros países europeus com as suas minorias étnicas. Um holandês dizia-me no outro dia que os putos holandeses agora falam todos com os maneirismos linguísticos adoptados dos árabes, uma forma de holandês degenerado. Se pessoas da minha geração disserem que nunca usam as palavras ‘bué‘ ou ‘ya‘, estão a mentir. Ou então essa abstenção é produto de uma auto-censura, de um esforço. Não só já não estamos orgulhosamente sós, não somos sequer nós, orgulhosa ou envergonhadamente.

Na questão religiosa, embora exista ainda imensos elementos da tradição Católica em Portugal, a verdade é que na prática a maioria dos Portugueses são quase tão Católicos como Hindus. Mesmo os que vão à Igreja não a ouvem, e aqui o dedo não pode ser somente apontado às pessoas, mas à Igreja que, por fariseismo, não só não responde aos problemas reais das pessoas modernas, mas ao mesmo tempo vai ao sabor da corrente progressista global – o pior dos dois mundos. O rio, em conclusão, desagua no mesmo mar.

O famoso (ou infame) discurso de Salazar sobre estarmos ‘orgulhosamente sós’ era especificamente sobre a política ultramarina, mas não é espúrio mencioná-lo neste contexto. Afinal de contas, o esforço em África, quer concordemos com ele ou não com o benefício da distância, dependia tanto das directivas políticas como da motivação dos combatentes – e esta provou ser, em última instância, incrivelmente afectada pelas opiniões internacionais. Muito para lá das limitações técnicas, a mundividência dos soldados, das famílias, do povo em geral, contribuíram para a derrota em África. Por outras palavras, o espírito do tempo impregnou a identidade nacional de dúvida sobre a aventura africana, e votou-a à derrota. Um exército que não acredita nas razões para lutar não vence guerras.

E assim, através da influência exterior, da ideologia da auto-determinação, do abandonar do ‘fardo do homem branco’, do papel civilizador europeu, do anticolonialismo e do movimento pacifista americano, a guerra ultramarina e, com ela, o regime, caíram. E para fechar o círculo com mais ironia divina, os portugueses são hoje mais influenciados pela cultura das colónias do que alguma vez as colónias foram influenciadas pela nossa.

Mas este não foi caso isolado. Outras influências exteriores contribuíram para a sua dissolução. Podemos perguntar se se a abertura do país à influência exterior foi um benefício ou um malefício, se melhorou a sociedade ou a piorou, se apurou as qualidades portuguesas ou as deteriorou. O que não podemos negar é que sucedeu.

Quando na Primavera Marcelista se começou a abrir fendas no dique que impedia a cultura estrangeira de entrar em Portugal, pôde observar-se que não tardou muito a que não houvessem suficientes meninos para meter os dedinhos nos buracos e impedir a enxurrada.

No outro dia estava a ver este documentário sobre o CascaisJazz, em 1971, que ilustra bem o argumento. Nele aprende-se que alguns dos músicos – e apesar da presença das polícias – fizeram homenagens aos movimentos de libertação africanos, saudados com grandes aplausos e cantos pela ‘liberdade’. As consequências não foram muitas, apesar da inicial ameaça de repercussões, o que provou a abertura do regime aos apoiantes, mas sobretudo provou aos detractores a sua fraqueza. Daí até à abertura completa, foi um piscar de olhos.

Em condições tecnológicas pós-industriais, e num mundo politicamente plebeu, quer se considere boa ou má, a abertura ao exterior é um processo contínuo, uma espécie de PREC, que uma vez começado não tem termo, e se alimenta a si mesmo num feedback loop.

Em menor ou maior grau, é por isso que vemos as identidades nacionais na Europa Ocidental se tornarem com o tempo versões diferentes da mesma cultura cosmopolita, obcecada pelas mesmas causas e guiada pelas mesmas ideias, enquanto que na Europa que esteve por detrás da Cortina, o processo está mais atrasado e a diferença é ainda visível. Mas infelizmente, sem que existam medidas que o contrariem, o processo vai continuar no Leste como continuou no Oeste.

E não parece haver grande diferença entre, por exemplo, cultura sancionada centralmente (como a MTV ou Hollywood), ou cultura descentralizada (como a Internet). A ausência de fronteiras culturais cria um mundo onde as fronteiras reais se tornam irrelevantes. Este argumento é frequentemente avançado pela Esquerda, para justificar a sua defesa de fronteiras abertas, e criticado pela Direita. Mas, mais uma vez, é a Direita quem não está a ser logicamente consistente.

A verdade é que a Direita pretende fronteiras fechadas na prática, mas fronteiras culturais completamente abertas, ignorando que a abertura cultural leva, inevitavelmente, à abertura real. O consenso geral de que devemos deixar entrar pessoas de todo o mundo para ‘enriquecerem’ a nossa cultura não nasceu do vácuo, foi um processo gradual, e não é produto de uma conspiração. É apenas o resultado natural da exposição continuada a culturas estrangeiras, que leva à perda de identidade e cultura nacional. O ‘enriquecimento’ só é possível, e só faz sentido, porque se perdeu a base. Se a própria cultura é uma mistura indiscriminada de influências, não há razão lógica para que a população o não seja. Em última instância, só encorajamos a entrada de outras culturas porque perdemos a nossa.

E não pensem que é possível impedir este processo. Ele já está demasiado avançado para se salvar alguma coisa. Qualquer ilusão sobre o assunto convém que seja abandonada. Os monárquicos e reaccionários autistas podem clamar e rezar todos os dias para a restauração da IMG_0486.jpgcultura portuguesa, mas o Portugal que existiu não volta a existir. O nacionalismo nos seus parâmetros clássicos é impossível e é difícil antever o que se segue. Mesmo que Portugal, como entidade política reganhe a soberania – algo bastante duvidoso quando nem o partido nacionalista, único, postula a possibilidade – não vem daí o regresso automático da identidade portuguesa perdida. Se D. Sebastião aparecer do nevoeiro, provavelmente volta para ele pois não reconhece as gentes e pensa que se enganou na saída. Mas não é caso para desespero porque, lembremos, a maioria das antigas nacionalidades europeias não era politicamente delineada. Viveu e sobreviveu sob jugo político externo. Portugal, com os seus 900 anos de independência política, é uma excepção nesse respeito. Nada indica que exista um Portugal politicamente unificado no futuro, mas isso não impede a criação de uma ou várias identidades.

Não ignoro a deliciosa ironia de que este texto contradiga a aspiração presente no título deste blog. Mas a verdade é que, como já se disse, não há restauração grandiosa possível. Temos de recomeçar do zero. É preciso repetir que a identidade nacional nasceu das acções individuais dos portugueses, e não porque estes estavam conscientes de que as suas acções levavam a esse fim. Aconteceu independentemente da sua vontade. Por isso qualquer futura identidade requer o nosso envolvimento, a nossa acção, o nosso investimento na nossa comunidade, não em aventuras identitárias que são, curiosamente, um fenómeno moderno global. A comunidade é o alicerce. Só o tempo dirá se é suficiente para suportar um edifício comum. O que é certo é que não se constroem casas a partir do telhado.