Portugal Desintegrado : EP 37 : We wuz Celts n sheeit, having man-boy love n sheeit

A sodomia faz parte da nossa cultura ancestral. Não sou eu que o digo, são muitos nacionalistas.

Estamos a retornar ao paganismo… n sheeit.

Novo episódio do Portugal Desintegrado agora no ar.

Ouvir no Youtube ou sacar aqui.

Anúncios

O Papel das Mulheres

A ideia para este texto surgiu de um comentário de uma leitora, Ana Maria, a quem agradeço dar o mote para esta discussão que, tendo em conta a oposição que vou recebendo sobre este tema, já vem tardia.

O ditado popular sobre a mulher ser quem usa as calças em casa é bem conhecido de todo o povo português e aponta para o facto de, contrário à natureza humana, ser a mulher quem lidera o lar. Este ditado providencia um mote perfeito para a discussão que pretendemos efectuar aqui, que é o do papel da mulher no movimento dissidente. men9Analisando a expressão, o que podemos concluir? Primeiro, a supracitada artificialidade da liderança feminina, tão artificial que é necessário criar um ditado jocoso para ilustrar a situação. Segundo, que essa artificialidade é demonstrada não apenas no interior (liderança) mas no exterior (calças), sendo que o exterior é simbólico de algo maior, e mais pernicioso. Ao imitar os homens, as mulheres perdem as suas qualidades femininas, sem ganhar nenhuma das masculinas: tornam-se meramente homens de segunda. Por isso, não exagero quando digo que a decadência da nossa civilização se deve, em grande parte, ao facto das mulheres terem começado a usar calças. Pode parecer apenas um pormenor, mas é um símbolo da deriva maior da nossa civilização, da corrente igualitária que a inundou e virou do avesso, do caos identitário em que nos encontramos. Toda esta tragédia começou, não pela raça, não pela imigração, mas pela confusão do papel da mulher na sociedade. E tão importante é a concepção correcta dos papéis adequados de cada sexo, que todas as sociedades que foram além do mais básico primitivismo a reconheceram e aplicaram. Excepções sempre as houve, mas como se costuma dizer, servem apenas para confirmar a regra. E a regra existe com razão. Uma mulher como a Ayn Rand, por exemplo, fez muitíssimo bem em nunca ter tido filhos e ser dona de casa e, em vez disso, dedicar-se ao trabalho intelectual, produzindo ideias de indiscutível valor e originalidade (a avaliação última dessas ideias é uma questão demasiado complexa para discutirmos aqui). Mas também por essa razão, uma vez chamaram-lhe ‘o homem mais corajoso na América’. Por certo que os que pretendem que as mulheres tenham a liberdade de participar no movimento no mesmo patamar que os homens não quererão que elas se transformem em meras imitações dos homens. E no entanto, quando o fazem, é precisamente nisso que se transformam.

Não é ao acaso que a Bíblia menciona a indumentária especificamente: «Uma mulher não poderá usar coisas de homem e um homem não poderá vestir-se com roupas de mulher, porque o SENHOR, teu Deus, abomina quem assim procede.» (Deuteronómio 22:5). Especula-se que a razão para que tal viesse especificamente mencionado na Bíblia se encontra na proximidade das sociedades pagãs que rodeavam os hebreus na época, e que possivelmente não observariam estas distinções. Ora, tal razão aplica-se também à nossa moribunda civilização, que dedicada hoje a variadíssimos deuses pagãos, se acaba por esquecer até do mais fundamental da organização humana: das diferenças salutares entre homens e mulheres.

É fácil antecipar as objecções: que é um anacronismo extremista, que a sociedade mudou, que ‘evoluímos’, que tais concepções são resquícios antiquados de uma era primitiva, ou no mínimo, menos ‘iluminada’. Estas objecções são, em grande parte, feitas por companheiros dissidentes, a quem só podemos apontar que com essas mesmas objecções a Esquerda defende todo o seu programa – desde a imigração até à aceitação dos ‘estilos de vida alternativos’. Pelo que podemos concluir que tais argumentos são inválidos – ou, caso concluamos que são válidos para uma coisa, são igualmente válidos para outra. Por outras palavras, das mulheres usarem calças à abolição da identidade nacional, vai um tirinho.

Neste canto da Internet, ter opiniões impopulares e consideradas radicais pela maioria é uma inevitabilidade. No entanto, a visão tradicional da Mulher é impopular e considerada radical mesmo no seio do movimento dissidente, mesmo entre homens e mulheres que reconhecem as diferenças físicas, mentais e espirituais entre os sexos, que reconhecem o papel de ambos na ordem tradicional. Para eles, a ideia de que as mulheres devem ter uma função fundamentalmente distinta da dos homens no movimento ainda é tabu, senão mesmo anátema. Pelo contrário, o consenso parece ser 5a610cb01e000028005adbd4que as mulheres podem (e em alguns casos devem) ter um papel semelhante ao dos homens na produção e distribuição de ideias, na participação em demonstrações e debates e, deduz-se, nas batalhas campais em que muitos dos eventos se transformam e eventualmente nas trincheiras de uma potencial guerra civil.

Recentemente o Youtube lançou uma sequela do Karate Kid em forma de série que é surpreendentemente contrária ao politicamente correcto. A série chama-se Cobra Kai (o nome do dojo dos antagonistas no original), e uma das cenas mais hilariantes é quando uma preta gorda com cabelo de lésbica se tenta juntar ao dojo e o sensei lhe diz que não se aceitam mulheres no karaté pela mesma razão que não se aceitam no exército: porque é estúpido. Numa civilização em ordem, eu não necessitaria de justificar o porquê do papel das mulheres no movimento dever ser o de esposas e mães, de aliadas domésticas dos homens que efectuam o principal do trabalho (intelectual e físico) requerido para o triunfo das nossas ideias. Numa civilização em ordem, bastaria simplesmente repetir o truísmo da série e dizer que qualquer outra abordagem é estúpida. Mas infelizmente a nossa civilização não está em ordem, e até os truísmos têm de ser explicados, justificados e argumentados, uma e outra vez.

Já mencionámos a Bíblia, mas convém voltar a mencioná-la e lembrar que as prescrições sobre o papel feminino não se limitam à advertência contra o seu uso de indumentária masculina. Pelo contrário, a mulher é distinta do homem, e deve a ele ser submissa. Repare-se nas seguintes passagens:

«Como acontece em todas as assembleias de santos, as mulheres estejam caladas nas assembleias, porque não lhes é permitido tomar a palavra e, como diz também a Lei, devem ser submissas. Se quiserem saber alguma coisa, perguntem em casa aos maridos, porque não é conveniente para uma mulher falar na assembleia.» (1 Coríntios 14:33-35)

«Submetei-vos uns aos outros, no respeito que tendes a Cristo: as mulheres, aos seus maridos como ao Senhor, porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da Igreja – Ele, o salvador do Corpo. Ora, como a Igreja se submete a Cristo, assim as mulheres, aos maridos, em tudo.» (Efésios 5:21-24)

«A mulher receba a instrução em silêncio, com toda a submissão. Não permito à mulher que ensine, nem que exerça domínio sobre o homem, mas que se mantenha em silêncio. Porque primeiro foi formado Adão, depois Eva. E não foi Adão que foi seduzido mas a mulher que, deixando-se seduzir, incorreu na transgressão. Contudo, será salva pela sua maternidade, desde que persevere na fé, no amor e na santidade, com recato.» (1 Timóteo 2:11-15)

«Do mesmo modo, as anciãs tenham um comportamento reverente, não sejam caluniadoras nem escravas do vinho, mas mestras de virtude, a fim de ensinarem as jovens a amar os maridos e os filhos, a serem prudentes, castas, boas donas de casa e dóceis aos maridos, de modo que a palavra de Deus não seja difamada.» (Tito 2:3-5)

Saliento estas passagens porque elas não existiram no vácuo. Pelo contrário, elas foram a base da civilização que, de uma forma ou de outra, todo o movimento dissidente respeita como o auge da Europa e quer ressuscitar. A identidade nacional nasce primeiro na família, e a família nasce do homem e da mulher. Quão importante é, pois, que tenhamos a concepção correcta do relacionamento entre os dois? E quão destrutivo é que tenhamos uma errada? Basta observar a sociedade presente, que é predicada, não na distinção entre homem e mulher, e na submissão da mulher ao homem, mas pelo contrário, numa absoluta igualdade e individualismo que permite, a homens e a mulheres, fazerem o que bem lhes apetece, mesmo que o que lhes apeteça semeie a destruição da ordem social.

Mas toda esta conversa de religião e civilizações antigas diz muito pouco a um grande número de pessoas no nosso movimento, e apesar das evidências sobre a importância destas considerações, elas são maioritariamente relegadas para o plano da fantasia, pois a questão fundacional é muitas vezes esquecida ou abertamente ignorada (como já apontámos). Por isso avancemos para considerações mais terrenas.

Quando se advoga a participação das mulheres no movimento, não como esposas, mães e companheiras, mas como equivalentes intelectuais e físicas dos homens, obviamente que se tem em mente muitos casos recentes que, admita-se, angariaram indiscutivelmente um grande número de novos convertidos à causa identitária, à defesa do Ocidente e à tentativa de o ressuscitar do torpor terminal em que se encontra depois de ter sido vergado às forças igualitárias e relativistas do Iluminismo.

Consideremos o caso Lauren Southern. Com 23 anos, a menina Southern é não só a fêmea mais famosa no movimento, mas uma das figuras mais proeminentes mesmo descontando o seu cromossoma identificador. Qual é a razão para esta popularidade? Lauren_Southern_OKSerá a originalidade das suas ideias ou da apresentação dessas ideias? Ou será por ser uma jovem rapariga que, no decorrer do seu trabalho, vai mostrando as pernas e os ombros, e por vezes um pouco mais que isso? Não se pode subestimar o poder da libido masculina, que mesmo em assuntos em que deve ser posta de parte acaba por dominar as prioridades. Como podemos ver ilustrado nesta review do seu livro, a menina Southern não é nem original nas ideias, nem na apresentação – pelo contrário, nem sequer se eleva acima do mais básico em ambas as categorias. Nesse livro, inclusivamente, encontra-se esta pérola de intelectualidade e bom gosto: «If there was a moment in the 2016 U.S. election that epitomized this newfound hate for the young on the right, it was Republican consultant Rick Wilson’s infamous… declaration that Trump supporters were “childless, single losers who masturbate to anime.” Guilty as charged. Well, except I don’t masturbate to anime characters. I dress up like them and guys masturbate to meSe isto não demonstra que a menina Southern sabe perfeitamente qual é o seu papel – uma softcore camwhore para nerds políticos – não sei o que demonstra.

Convém neste momento fazer um reparo: não estamos a argumentar que a rapariga não produz nada de qualidade, pelo contrário. Um exemplo recente de algo de qualidade que produziu foi o documentário Farmlands, publicitado aqui com legendas em português do Brasil, que chama a atenção devida para a horrível e ignorada situação dos brancos na África do Sul. Mas há perguntas importantíssimas que se devem colocar: será que este documentário, ou as outras obras de qualidade feitas pela menina Southern, só poderiam ser feitas por ela ou, pelo contrário, um jornalista masculino poderia ter feito o mesmo, com pelo menos a mesma qualidade (note-se que as únicas partes más do filme são precisamente quando ela faz monólogos em voz off enquanto se pavoneia em frente da câmara)? E, sendo que um homem poderia fazer o mesmo trabalho, e potencialmente mais bem feito, haverá algo que só a menina Southern possa fazer, uma categoria de actividades em que um homem a não possa substituir? A resposta é igualmente afirmativa. E essas actividades são aquelas que coincidem com o papel tradicional da mulher na sociedade: ser uma esposa, uma mãe, providenciar acompanhamento emocional e intelectual nos primeiros anos de vida das crianças, manter um lar estável e saudável para a sua progenitura.

Nunca me deixa de surpreender que tantos anti-feministas queiram para as suas mulheres o mesmo que as feministas querem para todas as mulheres: que sejam imitações de segunda dos homens. Que em vez de se dedicarem àquilo que a sua biologia e seu espírito lhes lega como natural e que só mesmo elas podem concretizar, queiram que elas se dediquem a produzir frutos que os homens também podem produzir, e em geral melhor. Esta é uma das falhas primordiais da nossa civilização: esquecer as divisões naturais, os papéis naturais, e transformamos as mulheres em homens de segunda. Não observamos nós o vácuo criado por esta ideia de igualdade, em que as mulheres da nossa raça desperdiçam a sua fertilidade, os seus dons naturais, na perseguição do hedonismo, por um lado, mas por outro lado igualmente destrutivo, na perseguição de carreiras, na imitação do papel masculino? Não reconhecemos as consequências destrutivas para a civilização dessa nova ordem? Não as observamos todos os dias, quer em estatísticas, quer no dia-a-dia? E se sim, porque queremos nós que as nossas mulheres, participando num movimento que fundamentalmente rejeita as consequências dessa ordem social, funcionem da mesma forma e concretizem os mesmos erros?

Depois é preciso considerar algo que já foi mencionado noutros textos: primeiro, que o meio é a mensagem. E depois que atrair as pessoas erradas, e sobretudo os homens errados, é contraproducente. Neste caso, o meio é muitas vezes o de ter mulheres a ditar a homens aquilo em que devem acreditar e porquê. Psicologicamente, isto resulta em kjaskjshomens castrados. A verdade é que a popularidade de Lauren Southern, bem como de raparigas semelhantes, vem da percepção óbvia, mas perniciosa, de que o mesmo tema quando apresentado em conjunção com um decote ou uma carinha laroca tem automaticamente mais audiência. E note-se que a menina Lauren, em termos de beleza, será no máximo um 6.5. Tire-se a maquilhagem e desconfio que se encontra um 4 ou no máximo um 5. Será que queremos conquistar uma audiência de homens sexualmente frustrados que se perdem de amores por uma rapariga de aspecto banal com quem concordam politicamente?

Uma boa ilustração do tipo de homem que estas raparigas atraem para um movimento que se quer sério e que precisa, definitivamente, de homens com espinha, encontra-se quando se ‘segue’ o dinheiro. Antes de ser banida do Patreon, por exemplo, a Lauren estava a receber quase quatro mil dólares por mês e, além de mostrar um decote lauren patreon.pngproeminente na sua foto, referia-se jocosamente ao facto de uma doação dar o direito ao dador de dizer que era seu ‘namorado’ e que ela não confirmaria nem desmentiria. Outro exemplo, entretanto desaparecido da sua página, encontrava-se na possibilidade de pagar duzentos e cinquenta dólares por 15 minutos (!) de sessão de Skype privada com a menina Southern. Não sei de ciência certa, mas apostaria que uma prostituta de luxo levaria menos de mil dólares à hora – em carne e osso, não por sessão de Skype. Isto ilustra tanto o empreendedorismo (por assim dizer) da menina Southern, como a sede de atenção feminina e a total efeminação dos homens brancos modernos, obcecados com a sua ‘namorada virtual’ ao ponto de pagarem a peso de ouro a oportunidade de fazerem parte do seu ‘círculo íntimo’ (quão grande é esse círculo, nunca saberemos). Entretanto a menina Southern apagou esta opção do seu site (depois de algumas críticas) e ficou apenas a opção ‘Exclusive’, em que pagando cem dólares por mês, obtêm um livestream particular entre os subscritores dessa opção e, cereja no topo do bolo, ela segue-os no Twitter (não estou a gozar!). Não só não queremos estes homens ao nosso lado numa batalha, mas perpetuar este tipo de atitude é absolutamente contraproducente. Podemos ter um exército de milhões, mas se forem milhões como os que dão dinheiro à menina Southern, seremos derrotados por trezentos inimigos duros, como na mítica história.

Vários outros exemplos existem destas raparigas, também chamadas de trad thots (ou putéfias tradicionalistas), e das suas legiões de seguidores que comem demasiada soja. Nenhuma delas é casada, ou tem filhos. As únicas mulheres do movimento que os têm são muito mais recatadas, trabalham com os seus maridos e, por essa razão, não obtêm o mesmo nível de atenção masculina (nem é esse o seu objectivo). Mas não podemos culpar apenas as raparigas. Quem devemos culpar são os homens fracos que as promovem e lhes sustentam o estilo de vida. Espero estar enganado, mas suspeito que nenhuma dessas raparigas vai casar e ter filhos enquanto a sua beleza relativa e juventude lhes permitirem ter hordas de frustrados a patrocinar as suas viagens e ‘aventuras’. Para quê dedicarem-se a um homem, quando podem ter a atenção de milhares, senão milhões?

Começámos com um ditado popular, e acabamos com uma história que ilustra a importância, e a força imparável, que é viver e agir conforme a ordem divina, e como isso é espelhado pelos papéis, absolutamente distintos, dos homens e das mulheres.

Com a subida ao poder dos bolcheviques na Rússia, várias leis contra a religião foram passadas, impedindo os padres de evangelizar, incluindo ensinar o Cristianismo às novas gerações. O objectivo, claro, era destruir a prazo toda a religião visto que esta era um obstáculo, senão o maior obstáculo, à criação do paraíso socialista na terra. Estas leis mantiveram-se até praticamente ao final do regime soviético, quase 80 anos. Conta-se que um líder Soviético, pouco depois da revolução e tendo em conta as leis estabelecidas contra a religião, perguntou ao Patriarca de Moscovo o que iria acontecer à Igreja quando a última avó morresse. O Patriarca respondeu-lhe que haveria outra geração de avós para as substituir. Palavras proféticas, sobretudo se se considerar que a maioria das avós russas de hoje eram apenas crianças ou nem sequer nascidas quando estas palavras foram proferidas, e que a Igreja manteve-se ao longo de toda a animosidade comunista e retomou o seu lugar (e continuou a crescer) logo após a queda do regime.

21d602d5ff237aaa874221c992c8797f.jpgO que a história ilustra é que a Igreja salvou-se pelo facto das mulheres agirem como mulheres, cumprindo o seu papel natural, ensinando os mais novos, passando as tradições. Repare-se que não foi através da ordenação de mulheres para o sacerdócio que a Igreja continuou, mas pelo contrário, precisamente por manter essa restrição, cada sexo ter a sua função, permitiu que mesmo sob condições incrivelmente adversas encontrasse uma continuação. Há uma lição aqui para os homens e mulheres ocidentais dos nossos dias. Ao invés de aceitar a senda igualitarista e querer transformar as mulheres em homens de segunda, que invariavelmente transforma os homens em seres efeminados, devemos respeitar a ordem e separação natural de funções, cada um apelando às suas forças, em cooperação, em vez de competição.

O Nacionalismo não é necessário, nem suficiente

Este texto serve de adição ao que se escreveu aqui sobre o identitarismo. O objectivo não é alienar aqueles que considero aliados e que professam o Nacionalismo como a sua ideologia, mas unicamente apontar uma falha que considero ser incompatível com o seu objectivo principal, analisar as suas origens históricas e as suas manifestações modernas, e argumentar uma alternativa.

 

«Quem dentre vós, querendo construir uma torre, não se senta primeiro para calcular a despesa e ver se tem com que a concluir? Não suceda que, depois de assentar os alicerces, não a podendo acabar, todos os que virem comecem a troçar dele, dizendo: ‘Este homem começou a construir e não pôde acabar’. Ou qual é o rei que parte para a guerra contra outro rei e não se senta primeiro para examinar se lhe é possível com dez mil homens opor-se àquele que vem contra ele com vinte mil? Se não pode, estando o outro ainda longe, manda-lhe embaixadores a pedir a paz

Lucas 14:28-32

O principal problema de qualquer putativo movimento dissidente é a sua sobrevalorização daquilo que pode ser quantificado, aquilo que é visível a olho nu, aquilo que é imediatamente palpável, em detrimento das questões filosóficas, metafísicas e espirituais que são muitas vezes consideradas espúrias. Como o construtor da torre e o rei que parte para a guerra nas palavras de Jesus, muitos não consideram o invisível que subjaz às realidades visíveis. Como um médico que toma os sintomas pela doença e se oferece para os tratar julgando tratar a doença, o Nacionalismo opera da mesma forma no plano político. É desta mentalidade que surge a defesa do Nacionalismo.

Pretendemos aqui argumentar que o Nacionalismo não pode constituir a base para o movimento, pois mesmo para os objectivos que pretende concretizar não é necessário, nem suficiente. Para isso temos primeiro de o definir, para que se saiba aquilo a que apontamos a nossa crítica. Como todas as ideologias, pode dizer-se que é tudo e mais french-nationalismalguma coisa, por isso tentaremos cingir-nos a uma definição que tenha em conta, ao mesmo tempo, a História da ideologia e a sua presente manifestação. O Nacionalismo é uma ideologia política Republicana e Democrática saída da Revolução Francesa, que postula a preservação da Nação enquanto entidade política (o Estado-Nação), a defesa de território delineado por fronteiras terrestres, da tradição e coesão linguística, cultural e étnica contra processos de destruição identitária ou transformação. Quando digo que o Nacionalismo não pode constituir a base, quererá isto dizer que sou contra os seus objectivos individuais postulados acima? Não. Mas quer dizer que estas ideias em si mesmas não garantem aquilo que pretendem garantir, e em particular a formalidade da ideologia (a identificação da nacionalidade com o estado-nação) não é necessária, nem suficiente.

Com a ameaça presente e tangível da imigração de massas, é compreensível que a ideologia do Nacionalismo se tenha tornado a bandeira em torno da qual os dissidentes maioritariamente se agitam, mas esse foco único confunde as árvores pela floresta, e a45210707118b976f894dcb852f4cdb5esquece que há factores metafísicos que o Nacionalismo por si mesmo não contradiz, que não só permitem mas promovem esta situação. Sendo uma invenção moderna saída do próprio Liberalismo, o Nacionalismo tem a mesma fundação no Materialismo Iluminista e sofre dos mesmos problemas insolúveis. O Nacionalismo, por mais benéficas que sejam as suas intenções, acaba a longo prazo na mesma situação que qualquer outra ideia democrática. Isto é, acaba na destruição daquilo que pretende defender. Tal como o Liberalismo é a longo prazo incapaz de defender a Liberdade, o Nacionalismo é incapaz de defender a Nação.

O caso Português, com as suas fronteiras e unidade política com quase mil anos, não é dos melhores exemplos para se perceber o argumento que fazemos aqui. Mas por outro lado, o facto de ser uma absoluta raridade na História Europeia, acaba por ilustrar ainda assim o ponto acima. As nacionalidades de Leste, por exemplo, oferecem um perfeito nationalismexemplo de como a coesão étnica e cultural de um povo não dependem de uma entidade política equivalente, ou seja, não precisam de Nacionalismo. E em alguns casos, observa-se que muitos grupos étnicos estavam mais bem servidos sob uma entidade política mais larga do que quando obtiveram os seus estados-nação. O Império Austro-Húngaro, a Jugoslávia de Tito, ou até a França pré-Revolucionária – onde, lembremos, existiam várias nacionalidades, entretanto extintas precisamente pelo Liberalismo – ou até a Rússia moderna, são bons exemplos de como o Nacionalismo não é necessário. Na maioria dos casos foram precisamente os poderes Liberais e a ideia da auto-determinação dos povos que desagregaram ou destruíram nacionalidades (como no caso Francês ou, em menor escala, na centralização nacionalista da Itália ou da Alemanha). Sob um ou outro império várias nacionalidades sobreviveram sem Nacionalismo, e com Nacionalismo destruíram-se várias nacionalidades e identidades.

Penso que isto prova que a questão da nacionalidade, da coesão étnica e cultural de um povo, é uma questão muito mais complexa do que a simples edificação política. Argumentar o contrário implica admitir, por exemplo, que os falsos estados-nação formados pelos poderes coloniais em África, na Ásia e nas Américas eram nações antes de serem estados, quando uma investigação simples da sua História demonstra que essa concepção é falsa. Obviamente que, com o tempo, outras nacionalidades (ou semi-nacionalidades) se formam a partir destes estados artificiais, mas esse mesmo facto confirma que nesses casos, antes de existir o estado, não existia a nacionalidade, mas uma colecção de grupos étnicos, culturais e linguísticos distintos.

O Nacionalismo não é, pois, necessário à manutenção daquilo que pretende defender. A verdade é que, paradoxalmente, sendo uma consequência da destruição da monarquia e da sociedade tradicional, o Nacionalismo é uma reacção inconsequente, desnorteada, um penso para uma ferida de bala, e sendo uma ideia em grande parte contraditória, como demonstrámos, acaba por ser utilizada amiúde pelas elites globalistas para fomentar o caos e destruir a sociedade tradicional. Obviamente, o Nacionalismo pode ser, sob determinadas circunstâncias, uma força contrária aos planos globalistas, sobretudo centenas de anos depois da destruição da ordem monárquica, mas é preciso nunca esquecer que o próprio Nacionalismo foi uma ideia promovida pelas elites maçónicas da época com o objectivo de destruir as sociedades que existiam, tal como hoje promovem o Globalismo para destruir as que existem. Como a História demonstra, o Nacionalismo não é uma condição necessária para a defesa da nacionalidade mas sobretudo não é suficiente – algo que é ilustrado perfeitamente no Nacionalismo dos nossos dias.

Se investigarmos seriamente os objectivos das elites globalistas percebemos que o seu plano não é somente de aniquilação da nacionalidade, mas aniquilação de qualquer tipo de identidade: étnica, cultural e linguística, mas também familiar, religiosa, sexual e, o plano final transhumanista, também da identidade humana. Quão fútil é pois que nos oponhamos a um dos seus objectivos mas descuremos a oposição aos outros? Ou pior, que se subscreva uma parte do seu programa? O Nacionalismo hoje pretende cortar uma das cabeças do monstro globalista, mas deixar as suas outras cabeças intactas. Isto é por MTG_Apocalypse-Hydra.jpgdemais óbvio olhando para os partidos nacionalistas que vão surgindo sob a bandeira da anti-imigração, e em particular anti-Islão, e que predicam a sua oposição na defesa de valores modernos completamente antagónicos à coesão nacional. Os exemplos são demasiado numerosos, tanto dos partidos e movimentos, como das ideias que partilham com os globalistas, para que se ignore esta tendência. A sua manifestação mais gritante é na oposição ao Islamismo. É um óbvio ululante que nos devemos opor ao Islamismo como ideologia, e ainda mais à imigração massiva de proponentes dessa ideologia para a Europa, mas há boas e más razões para o fazer. E, infelizmente, a maioria dos nacionalistas opõe-se ao Islamismo pelas razões erradas. A maioria das críticas feitas pelos nacionalistas são às ideias que caracterizam como ‘retrógradas’ e que contrastam com as ‘liberdades’ ocidentais: a submissão da mulher ao homem e a intolerância dos desviantes sexuais, em particular, comprazem a grande maioria das críticas. Nelas está subjacente a defesa da insubmissão e liberdade femininas e da tolerância dos desviantes sexuais. Ou seja, atacando o Islamismo por estas coisas, os Nacionalistas atacam igualmente qualquer sistema político e social que incorpore estes closet-rue-89.jpgprincípios. Isto demonstra que estes Nacionalistas são infelizmente ignorantes, tanto da História Ocidental como da História universal, pois todas as civilizações dignas desse nome impuseram regras sociais estritas, e em particular, a submissão da mulher ao homem e a remoção dos desviantes sexuais (aquelas que, com o tempo, deixaram de o fazer acabaram na mesma decadência em que a nossa se encontra hoje); e demonstra igualmente que são antagónicos à organização social Cristã que dominou a Europa durante pelo menos 1500 anos, e que foi paralela ao florescimento da Europa como força dominante em todos os aspectos em que normalmente se avaliam as civilizações. Ou seja, pretendendo defender o Ocidente, a maioria dos Nacionalistas defende as ideias que perverteram a nossa civilização e nos trouxeram ao ponto actual. O bem comum, a coesão social, a unidade nacional, requerem necessariamente determinados sacrifícios de liberdade individual. Ao elevarem essa liberdade ao princípio base da sua visão do Ocidente, estes Nacionalistas plantam a própria semente que germinará na disfunção política, social e económica que cria o problema migratório em primeiro lugar.

A base da Nação é a família e o individualismo primário que defendem é a antítese da família. Ao defenderem o individualismo contra o colectivismo dos Islamistas, os nacionalistas apenas escolhem uma forma de atentado contra a Nação em prol de outra. Esta defesa é emblemática da atitude que, na realidade, existe na génese do Nacionalismo: o Estado-Nação torna-se na única premissa, e a ordem social necessária à manutenção da nacionalidade é ignorada. Um movimento que defenda o Estado-Nação e se oponha à imigração, mas que aprove e permita todos os males da modernidade, que pretenda manter o status quo social de liberdade sexual, de supremacia feminina, de economia baseada na usura, de organização democrática, é incapaz de sequer manter aquilo que eleva como valor principal. E é a isto que nos referimos quando dizemos que o Nacionalismo descura o aspecto metafísico, pois é incapaz de perceber que a situação migratória é uma consequência da perda de valores tradicionais na sociedade, não é um assunto separado que possa ser resolvido sem se resolver este outro.

A identidade é feita de círculos concêntricos – o primeiro sendo a família nuclear, depois a família extensa, o bairro, a cidade, a região, a Nação (entendida como esfera partilhada de laços étnicos, linguísticos e culturais), a ligação regional (por exemplo, entre povos com línguas de origem latina ou de proximidade geográfica) e, por fim, a identidade geral europeia, que não pode ser entendida fora do domínio da Cristandade – pois hierocles-concentric-circles.jpgpreviamente os vários povos europeus não tinham língua, cultura ou logos em comum, mas eram sim uma colecção de povos com crenças, culturas e línguas distintas e rivais.

Os nacionalistas verdadeiros reconhecem que a Nação não é uma mera delineação geográfica e que o que a constitui não é meramente a terra onde se encontra (o ridículo conceito de ‘magic dirt’), mas sim as pessoas que a compõem, com uma etnia e cultura próprias. Reconhecem, logo, que não se pode substituir as pessoas sem aniquilar a Nação, ou sem a transformar em algo completamente distinto. No entanto, e infelizmente, muitos não prestam a devida atenção à conduta das pessoas que compõem a Nação, nem têm um entendimento de que o bem comum da Nação é muito mais do que o bem individual dos seus membros, e subscrevem assim uma forma ou outra de individualismo, que é radicalmente antagónico ao objectivo que pretendem alcançar.

Mesmo admitindo que o Nacionalismo consegue ganhar eleições e expulsar os alógenos, qual é o resultado? Ter paradas gay mais seguras? Um sistema de saúde a funcionar melhor para mais eficientemente abortar crianças? Jovens mulheres a embebedarem-se nas ruas das nossas cidades sem o receio de violação por parte de alógenos? O Nacionalismo hoje é análogo ao puxar um suicidário da beira da ponte, mas depois mandá-lo para casa onde tem cordas, armas e comprimidos. É a fantasia de achar que se não resolvermos o problema psicológico e espiritual ele vai deixar de ter tendências suicidas. A nossa civilização presente é patentemente suicidária, a vários níveis, e o Nacionalismo infelizmente apenas pretende criar as condições para que se suicide em paz.

double-headed-romanov-imperial-eagleComo expliquei anteriormente, o Ethnos tem de ser entendido e só pode ser defendido através do Ethos. Só o retorno a uma ordem tradicional, em todas as suas implicações, pode garantir a coesão étnica e cultural. Não podemos manter uma parte do edifício liberal e esperar que fique estanque e não volte a destruir aquilo que já destruiu uma vez. Aqueles que anseiam por uma sociedade etnicamente coesa mas que pretendem simultaneamente manter outros aspectos da sociedade moderna, estão a perseguir uma ilusão, mas ainda mais importante, não podem ser considerados como aliados. Pelo que é de extrema importância que se entenda que o movimento tem de rejeitar todos os pontos do liberalismo, e ser muito mais radical do que o simples Nacionalismo.

A Guerra dos Sexos

«O marido deve cumprir os seus deveres conjugais para com a sua mulher, e da mesma forma a mulher para com o seu marido. A mulher não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim o marido. Da mesma forma, o marido não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim a mulher. Não se recusem um ao outro, excepto por mútuo consentimento e durante certo tempo, para se dedicarem à oração. Depois, unam-se de novo, para que Satanás não os tente por não terem domínio próprio. Digo isso como concessão, e não como mandamento. Gostaria que todos os homens fossem como eu; mas cada um tem o seu próprio dom da parte de Deus; um de um modo, outro de outro. Digo, porém, aos solteiros e às viúvas: É bom que permaneçam como eu. Mas, se não conseguem controlar-se, devem casar-se, pois é melhor casar-se do que ficar ardendo de desejo.»

1 Coríntios 7:3-9

É triste verificar o quão removidos estamos do ideal bíblico e difícil imaginar que o abandono desse ideal pode ir mais longe. Mas a cada ano, a cada década, a distância aumenta.

É um óbvio ululante dizer que os papéis tradicionais dos sexos se alteraram radicalmente nos últimos cem anos, e em especial nos últimos cinquenta, com a velocidade dessa mudança a acelerar cada vez mais, ao ponto de praticamente não existirem diferenças sociais entre os sexos – na lei essas diferenças são proibidas, e na sociedade civil para aí se caminha. A Esquerda, claro, aplaude. A Direita, com poucas excepções, também. A Esquerda apregoa a igualdade mas promove, na prática, a supremacia das mulheres, sempre na sua demanda caótica. A Direita apregoa a igualdade e acredita nela, o que é mais trágico – na prática, actua como um travão muito ténue ao estabelecimento, legal e social, da supremacia feminina.

A revolução sexual não foi um movimento de baixo para cima, mas uma operação deliberada por sociedades secretas e agências governamentais. E se ainda não há muitos anos as elites eram tímidas na sua imposição do relativismo, hoje fazem-no abertamente e sem qualquer pudor. Há uma guerra artificial entre homens e mulheres, criada pelas elites. Esta conspiração está photo_2017-10-28_11-49-13vastamente documentada. O problema está identificado, pelo que não vale a pena perder muito tempo a afirmar o que já se sabe. Se ofereço contexto é porque pretendo apresentar uma tese que aposto irá eriçar muitos pêlos e ofender muitas cabeças. Não falo da Esquerda, nem sequer da Direita que pensa nos moldes de Esquerda – mas da verdadeira Direita, tradicionalista.

Por muito que as esganiçadas do Bloco de Esquerda gritem que vivemos ainda sob o jugo opressivo do Patriarcado, a verdade é que a situação actual pode ser mais correctamente descrita como um Matriarcado. Exceptuando os casos, parcos, em que a biologia exerce a sua inevitável influência de forma irremediável (como nas ciências duras ou no desporto – ou na criminalidade violenta), a supremacia feminina é facilmente observável. E mesmo nessas poucas excepções, existem programas pagos pelos contribuintes para ‘corrigir’ essas ‘injustiças’.

Por cada juiz que decide em favor do homem em disputas legais entre conjugues, existem milhares de outros em que a decisão é favorável à mulher. A propaganda oficial tende a mostrar as mulheres como fortes e independentes, e em geral bem intencionadas, enquanto que os homens tendem a ser pintados como patéticos ou psicopatas. As escolas, as igrejas e os locais de trabalho são ambientes cada vez mais direccionados às mulheres, desenhados propositadamente para não ferir as suas sensibilidades e para acomodar as suas peculiaridades. Espaços puramente masculinos são infiltrados, e quando o não são, aparecem nas notícias para serem publicamente vilificados.

Um exemplo ilustrativo. 1985 foi o último ano em que o número de homens inscritos na faculdade era superior ao número de mulheres. Mais raparigas estão a desperdiçar os seus anos férteis na perseguição de uma carreira – e em muitos casos, nem sequer a vão concretizar. Mas mesmo que concretizem, a tragédia não é menor: as mulheres que adquiram um emprego bem remunerado kjaskjs.jpgterão maior dificuldade em encontrar um homem para casar, pois apesar de toda a cantilena feminista, não é costume ver executivas de sucesso a casar com empregados de mesa – enquanto que o contrário é comum. As mulheres procurarão sempre, por força da sua natureza biológica, um homem que tenha mais valor do que elas. No mundo mercantil em que vivemos, o salário e status social são o indicador principal no que toca a juntar os trapos e formar família. Uma mulher não respeitará o seu marido se este tiver um status menor e trouxer menos dinheiro para casa que ela. E assim se explica a proliferação da solteirona, da maluca dos gatos – que tendo passado a juventude focada na sua carreira e satisfazendo a sua necessidade de intimidade com encontros casuais e relações insignificantes, entre contraceptivos e abortos, termina numa triste desolação ou, no melhor dos casos, arranja um parolo disposto a rebaixar-se por migalhas de intimidade, quando a sua fertilidade e a sua beleza tiverem desvanecido.

Enquanto a populaça se convence da benevolência das grandes vitórias do liberalismo, as elites regozijam com a destruição da família, o seu objectivo principal. A família é o único entrave à implementação do controlo total do Estado sobre o indivíduo, o primordial obstáculo a uma nova ordem mundial, pois é nela que se baseiam todas as outras instituições intermédias, sem as quais photo_2017-11-06_09-46-10homens e a mulheres ficam indefesos perante o poder político. Não é ao acaso que a destruição ou irrelevância das instituições intermédias tenha andado, década após década, de mão dada com a desintegração da família. E na génese da família está a união de um homem e de uma mulher.

Esta união, apesar de ser uma parceria, é tudo menos igualitária. O homem e a mulher têm funções diferentes, responsabilidades diferentes, poderes diferentes. E sem essa desigualdade, a instituição não sobrevive, nem consegue cumprir a sua função. Todo o edifício desmorona. Isto é o que vemos acontecer no mundo moderno. Chesterton tem uma frase adequada: nunca deitem abaixo uma cerca sem antes saber porque foi construída. A revolução sexual ofereceu à mulher o controlo sobre o seu aparelho reprodutivo e essa ‘libertação’, que no vácuo parece sábia e justa, abriu uma caixa de pandora que ameaça desmantelar todos os alicerces que mantêm, por enquanto, a sociedade de pé.

Tendo assim exposto o problema, a resposta é óbvia: retornar à ordem tradicional, restabelecer o Patriarcado. Mas daqui até lá há um longo caminho a percorrer, e neste momento o caminho está cheio de obstáculos e buracos, e sem iluminação. Com a libertação da mulher, veio o aprisionar do homem; com a masculinização da mulher, veio a efeminação do homem. Os homens têm de, mais uma vez, exercer domínio sobre as mulheres, mas como efectuar isso na prática?

A lei proíbe-o e a sociedade desencoraja-o. Pior: as instituições que deviam oferecer luz e auxílio, juntaram-se ao inimigo; as vozes tradicionalistas, recusam-se ao combate. Os conselhos das instituições e pensadores tradicionalistas não são aplicáveis no panorama actual. A Igreja 111.jpgrecomenda que se espere até ao casamento para ter sexo e num mundo são isto seria não só possível como desejável. No mundo moderno, é possível (de certa forma) mas não é desejável. Os incentivos que existem correntemente contribuem para que as mulheres não só não precisem de um homem, como não o respeitem. Um homem moral, que queira esperar até ao casamento, vai certamente casar virgem, mas não vai casar com uma virgem. Infelizmente, na sociedade moderna, para o homem exercer domínio sobre uma mulher, esse domínio tem de ser sexual. E tendo em conta que é difícil imaginar dois jovens a conhecerem-se e a casarem quase imediatamente, sucede que o sexo vai suceder antes do casamento ser consumado.

A alternativa de alguns tradicionalistas é remover-se da sociedade totalmente, viver uma vida ascética, de celibato. Em alguns, não poucos, casos, existe uma aura de misoginia, como se as mulheres tivessem escolha, ou culpa, de serem como são – como se não caísse sobre os homens a responsabilidade de as liderar. Se de um lado da boca afirmam as virtudes tradicionais, por outro resignam-se a aceitar as torpes mentiras modernas, não em teoria, mas na prática. Ao observarem a natureza hipergâmica das mulheres, completamente desenfreada dada a realidade legal e social, decidem – porque é mais simples – que nenhuma mulher merece o seu esforço, a sua tutela. Quando na realidade é mais importante do que nunca que os homens sejam masculinos, e ofereçam uma liderança viril para as mulheres da sua geração.

Não ponho de parte, claro, que há casos perdidos – querendo com isto dizer que há putéfias irredimíveis, tal como existem homens sem qualquer capacidade de serem viris. Mas é preciso compreender que as mulheres estão tão perdidas como os homens. São vítimas da mesma images.duckduckgodegeneração da civilização ocidental, da mesma hemorragia de valores, e não sairão desse abismo sem a liderança dos homens. A cada esquina as jovens mulheres são encorajadas a abrir as pernas, a oferecer aquilo que lhes é único (a sua beleza e fertilidade) a troco de nada; a saltar de ‘relação’ em ‘relação’, quando não mesmo de cama em cama, enquanto se focam naquilo que na distorção moderna se tornou o objectivo principal: o fantasma mitológico da ‘realização pessoal’, da carreira, do trabalho. Na prática são encorajadas a serem obedientes ao patrão, em vez de ao marido.

Mas como pode uma mulher moderna ser submissa se não encontra um homem recto e viril, que queira fazer dela uma esposa? Se os homens na sua vida são puramente hedonistas, ou fracos e inseguros, incapazes de dar um passo e tomar uma decisão? Se os homens rectos não conseguem sequer ganhar coragem para meter conversa com uma rapariga e convidá-la para beber um café? Se nem esse pequeno passo são capazes de dar, como vão ser líderes dentro da sua própria casa? O meme dos involuntariamente celibatários existe por uma razão. As mulheres não se sentem atraídas pela fraqueza, e muito menos se resignarão a aceitá-la durante o auge da sua fertilidade.

E se, por um lado, existe valor moral em ser voluntariamente celibatário, existe muito pouco em ser-se involuntariamente celibatário. A verdade é que a via ascética é, e sempre foi, um caminho adequado para uma pequena minoria. A maioria dos homens não nasceu com essa vocação, e numa era sã, estariam casados e com famílias. Acontece que esse caminho é cada vez mais difícil, e exige ainda mais virilidade para o atingir. Exige, na verdade, um esforço continuado para manter a mulher fora da esfera de influência do Demónio.

Que uma maioria dos homens de valor, com princípios, com uma ideia de como a sociedade deve funcionar, siga uma via ascética (voluntária ou involuntariamente), não é um caminho para a restauração, não é um alicerce para o futuro. Mesmo quando é moralmente impecável, não oferece qualquer saída para o buraco em que nos encontramos. Pelo contrário, ajuda a que a situação piore ainda mais rápido, pois não coloca qualquer entrave a que as mulheres cumpram a sua natureza hipergâmica, e desperdicem a sua beleza e fertilidade em busca do ideal hedonista.

A sociedade moderna é repleta de paradoxos morais. Um deles, talvez o maior, é que para voltar a estabelecer uma ordem natural e moral na sociedade, o homem tem de estabelecer um domínio sobre o imperativo feminino sem ter qualquer ferramenta legal ou social, mas unicamente a sua narcismasculinidade. Para dominar a mulher num clima de libertação sexual, o homem não pode simplesmente oferecer-lhe o que oferecia no passado pois praticamente tudo pode ser adquirido sem um homem. Desde o conforto material que o emprego lhe oferece até à atenção masculina das hordas de homens sexualmente frustrados obtida através das redes sociais. Só a virilidade da liderança, da tutela do homem, e o sexo, a atracção primária, não pode ser adquirida sem ele. Se um homem for casto, e a mulher não for (e tudo a impele a que não seja), ela nunca o respeitará e com a grande loteria do divórcio, que favorece desproporcionalmente as mulheres, o homem não terá qualquer hipótese de estabelecer domínio sobre a mulher. Pelo contrário, acabará figurativamente castrado.

As mulheres são naturalmente subordinadas ao homem, e portanto as suas atitudes são, mesmo neste clima tóxico, subordinadas ao que os homens na sua vida lhes permitem. Mas isto acarreta uma responsabilidade, um esforço, um peso sobre os ombros que muitos não querem tomar. Esta masculinitynegação da realidade vai do indivíduo às instituições, em especial no campo do tradicionalismo. A verdade é que por muito que vejamos as várias mentiras que o sistema lucra em nos vender e nos rejeitemos a comprá-las, há sempre uma parte de nós que quer voltar ao conforto da mentira. E a primeira mentira que insistimos em consumir é a de que podemos esperar a mesma força moral das mulheres que esperamos dos homens; que podemos confiar no cumprimento das regras quando já não existe árbitro ou penalização pelo seu não-cumprimento. A mulher submissa e casta era um produto, não da sua biologia, mas das circunstâncias legais e sociais em que se encontrava. Circunstâncias que já não existem, mas que pelo contrário são em tudo opostas às que mantinham esse santo equilíbrio.

O conforto da mentira é apelativo, porque não exige esforço, intelectual, moral ou físico. Em nenhum campo isto é mais observável do que nas relações entre os sexos. Queremos ainda acreditar que o contexto em que vivemos é o mesmo que vem descrito na Bíblia, e que portanto podemos aplicar as mesmas estratégias e obter os mesmos resultados. Ignoramos voluntariamente que o Demónio é um íntimo conhecedor da escritura, e que a sua estratégia é encaminhar o mundo para as ambiguidades dos versos, criar situações não explicitamente descritas, onde as prescrições não geram os efeitos desejados, pois o contexto mudou, e assim desencaminhar as almas do caminho recto ou votando as que não desencaminha à total impotência e sofrimento.

Não é pois surpreendente que tantos jovens se afastem da Igreja, quando esta ignora com violência a realidade fora das suas portas, apontando um caminho onde agora só existem obstáculos e sugerindo acções que geram o efeito contrário daquilo que deviam gerar. Não é de admirar que tantas famílias católicas votem os seus filhos ao celibato involuntário e as suas filhas à promiscuidade radical (um meme vivo do mundo moderno, observável por todo o mundo ocidental). O fariseismo na questão da sexualidade tem o mesmo efeito que qualquer forma de fariseismo: afastar as almas da verdade, focando-se nas regras, em vez de no espírito. E a total fifty.jpgefeminação da Igreja é por demais óbvia precisamente no catecismo sobre o casamento e a sexualidade. As mulheres são chamadas a serem submissas aos seus maridos, mas apenas na medida em que os homens ‘amam as suas esposas como Cristo à Igreja’, e a interpretação, claro, vem directamente da mulher: se o homem não faz a mulher ‘sentir-se’ amada, então este não merece a sua submissão. A Igreja moderna sublinha este absurdo mantra da cultura pop, de que o amor é um sentimento, em vez de uma acção. E naturalmente, no campo dos sentimentos, a mulher tem todo o poder. E enquanto castigam os homens pela sua libido, mesmo quando não tem qualquer escape moral, desculpam às mulheres a sua constante procura por atenção masculina ou as suas fantasias em forma de romances degenerados.

Os homens modernos não podem esperar, ou procurar, uma esposa. Têm de exercer a sua masculinidade para fazer esposas das mulheres que se cruzam no seu caminho – e mais, exercê-la continuamente para que elas se mantenham esposas. Da mesma forma que não podem encarar o contexto sexual de um ponto de vista hedonista, procurando apenas o prazer imediato, não podem encará-lo de uma perspectiva beata e formalista, obedecendo a regras de um jogo que deixou de ter regras há muitas décadas. Os homens têm de estar preparados e dispostos a procurar e abordar mulheres para fazer de uma delas a sua esposa – longe vão os tempos em que podia confiar no círculo social, nas relações de proximidade, para encontrá-la, e longe vão os tempos em que a primeira que lhe surgisse daria uma esposa obediente e cristã. E têm de estar preparados para abandonar a relação, não por razões egoístas, mas porque o clima presente é necessariamente um de tentativa e erro, e nada mostra melhor a superioridade e virilidade do que ter opções e estar disposto a sair quando a mulher não cumpre com a sua submissão. A natureza biológica da mulher impede-a de apreciar a força do compromisso masculino, a sua dedicação ou até mesmo a Lei – e sem forças externas como a tutela familiar, a influência da Igreja ou leis que a contenham, é necessário que o homem tome as rédeas, sozinho, e imponha a ordem natural ditada por Deus.

De todos os episódios bíblicos, nenhum é mais ilustrativo da natureza feminina do que a insubordinação da Eva perante o mandamento divino. Se a mulher não pode ser confiada para se adam and eve.jpgmanter fiel a Deus, quanta negação e ilusão é necessária para se acreditar que, sem constante supervisão e acção, num mundo em que a serpente está presente em cada esquina, se mantenha fiel ao homem?

O homem de princípios tem de encarar a relação presente entre os sexos como uma guerra, e numa guerra nem todos os mandamentos podem ser perfeitamente seguidos. Se forem, é a garantia da derrota. Para isto se desenvolveu o conceito Cristão de ‘guerra justa’. A guerra entre os sexos é real e fugir à batalha não é uma opção se o objectivo é voltar à sanidade social, à ordem natural, ao casamento Cristão.

Teocracia e Escravatura

Não existem homens sem Religião, existem apenas homens que não sabem que Religião seguem. Visto que o Estado é operado por homens, baseado em constituições feitas por homens, que aplica leis escritas por homens, segue que o Estado também não existe sem uma Religião. Tal como o indivíduo, o Estado pode não saber, ou não declarar, que Religião de facto o enforma –

Descent_of_the_Modernists_E._J._Pace_Christian_Cartoons_1922-700x475
história da Igreja em Democracia

mas ignorar ou esconder este facto não o torna menos verdade. O status quo da modernidade, porém, é fundado precisamente nessa falsa premissa de que o Estado e a Religião estão, e devem estar, separados. A premissa só será verdadeira se por Religião se designar as fés ancestrais, pois o Estado democrático é o principal veículo das fés modernas, promovendo-as através de todos os seus tentáculos. Qualquer regime de duração média, passado ou presente, funda-se em última instância nas ideias que o enformam, ou seja, numa Religião.

Por isso, a verdade é que vivemos numa Teocracia. Vou repetir, para o caso de ter atordoado o leitor: vivemos numa Teocracia. A asserção pode parecer absurda, mas isso deve-se à natureza desonesta da propaganda da era em que vivemos, que é um produto da classe teocrática dominante. Por isso, deixem que me explique.

Bem sei que a origem da palavra é grega, e que o original theos significa Deus. Mas visto que não distingue entre falsos e verdadeiro, a palavra aplica-se: a história moderna (democrática) é nada mais nada menos que a incessante adoração de falsos deuses, promovidos pela classe teocrática através do Estado. A Teocracia em que vivemos é baseada em falsos deuses (o poder popular, a igualdade, o hedonismo e por aí for a), e promove esses falsos deuses com a mesma assertividade com que teocracias passadas afirmavam e promoviam outros, ou Aquele.

Se isto não chega, e de facto convém ir mais longe, vamos mais longe. O dicionário define sucintamente a Teocracia como um ‘Estado em que o poder está na mão do clero‘. Mas quem é o clero moderno? Quem tem de facto poder no Estado Democrático?

A pergunta é mais difícil do que parece. Um dos principais problemas da Democracia é precisamente que o poder está incrivelmente disperso, sem no entanto estar descentralizado. Por disperso entende-se o carácter inerentemente obstruccionista das instituições democráticas, em que uma (por exemplo, o Governo) não pode dar um passo sem que outra (por exemplo, o Parlamento) o permita – além das outras todas que também lá estão pelo meio a obstruir. Os magníficos checks and balances são na verdade uma forma de não se conseguir fazer nada de bom, sem se impedir que se faça todo o tipo de mal (ver a teoria da Captura Regulatória). A captura, no entanto, aplica-se a exemplos concretos e económicos, não à natureza religiosa do poder do Estado. As empresas de facto infiltram-se no Estado Democrático para retirar dele benefícios (que surpresa!), mas não são as empresas que definem, por exemplo, os currículos escolares, as leis anti-discriminação ou a posição do Estado em relação ao aborto – ou seja, os elementos religiosos. Curiosamente, e em grande parte por causa da captura, as empresas acabam, sem serem necessariamente obrigadas, a criar e aplicar dentro das suas próprias estruturas as mesmas regras religiosas (quem já trabalhou numa empresa de tamanho relativamente apreciável, pense, por exemplo, em todas as campanhas internas pela diversidade, inclusão, apoio aos refugiados, protecção do ambiente, etc). Por isso temos de procurar o nosso clero noutro sítio. As empresas são os aristocratas modernos, mas não são eles quem detém o verdadeiro, e último, poder.

De onde vêm então estas ideias que enformam o Estado e que eventualmente chegam até às leis e às instituições (mesmo àquelas que não são, nominalmente, estatais)? Se o leitor respondeu “das scientismUniversidades”, acertou. Se respondeu outra coisa, não se aflija: a resposta não é óbvia, até porque não existe qualquer incentivo para que os carrascos retirem o capuz e revelem a sua identidade. O facto é este: o clero moderno, o poder no Estado Democrático, está nas Universidades. Se se quiser saber que legislação religiosa será passada nos próximos quinze anos, procure-se que obsessões se promoveram nas Universidades nos últimos quinze. Da próxima vez que vir um professor catedrático, faça-lhe uma vénia. Está perante um soberano.

Não se pode descontar os incentivos económicos, claro. As universidades (e em menor grau, as escolas) são um dos maiores e mais perversos esquemas de lavagem de dinheiro do mundo moderno (dos cursos às bolsas, dos professores às publicações, passando pelos inúmeros institutos e grupos de investigação – todos pagos, e eventualmente engolidos, pelo cidadão comum). Mas adivinhe-se de onde surgiu o esqueleto, a ideia, deste sistema em que as Universidades gozam de prestígio e privilégio (totalmente indevido), antes de ter sido efectivado na lei? Nas universidades. O lema oficial da Educação “Superior” devia ser ‘damos vida ao termo circle jerk‘. A lavagem de dinheiro é, no entanto, menos importante e vem na sequência da lavagem cerebral.

O que distingue o clero moderno dos cleros passados, é que a Academia não ensina ou promove a verdade, nem conserva ou dissemina o conhecimento (de vez em quando fá-lo por acaso, e sem intenção – e na grande maioria dos casos esses acasos são ignorados ou punidos). A razão para isto é não ter uma base teológica para além da sua própria perpetuação.

Por isso, e para concluir: vivemos numa Teocracia em que o clero é a Academia. E isso, caso ainda não seja claro, é mau. Não por causa do sistema, que é inevitável (e o que não tem remédio, remediado está), mas por quem o dirige: o nosso clero educativo além de prepotente (o que, admita-se, vem um pouco com a função), não é lá muito educado – o que acaba por se notar na sociedade que produz e dirige.

Julgo ter ilustrado suficientemente o meu argumento, pelo que vou passar à segunda parte do texto.

Não só vivemos numa Teocracia Académica, como vivemos em Escravatura. E tal como no caso da Teocracia, não houve nenhuma sociedade até hoje em que o homem não vivesse em Escravatura – em vários graus, certo, mas Escravatura ainda assim. Voltemos ao Dicionário: A Escravatura é a ‘Condição do indivíduo privado da sua liberdade e submetido à vontade de outrem, que o considera sua propriedade‘. Perante a definição, não é difícil aferir a veracidade da proposição.

O leitor sente-se totalmente livre? Acha que é proprietário de si mesmo? Acha que pode contestar as leis feitas pelo parlamento? Acha que pode não pagar impostos? Pense outra vez. A diferença entre um servo no Século XIV, um escravo no Século XVI e um cidadão no Século XXI é uma diferença de grau, não de natureza.

medieval-serf-working.jpg

Antes de entrar em pânico e procurar soltar os grilhões (metafóricos) que tem à volta dos tornozelos, convém não esquecer que a Escravatura não é uma estrada de sentido único. A escravidão tem obrigações, mas também tem contrapartidas. O lorde oferecia ao servo terra e materiais para trabalhá-la, oferecia-lhe protecção e ordem, não o podia vender a outro lorde – embora pudesse libertá-lo ou vender-lhe a sua liberdade – e não o podia agredir indiscriminadamente – embora pudesse puni-lo no caso de cometer um crime. O dono do escravo oferecia-lhe casa, comida, saúde e instrução básica (e ao contrário do que é popularmente acreditado, a violência indiscriminada era usada muito raramente – e por razões óbvias, afinal, só um idiota destrói a sua propriedade, e só um idiota maior destrói a sua propriedade quando a sua riqueza depende dela). Em alguns casos, o escravo era formalmente libertado e ascendia à condição de assalariado. E não podemos deixar de mencionar que o lorde e o dono de escravos, também eles, eram sujeitos a submissão (ao Rei ou ao Parlamento), e também eles tinham as suas obrigações e contrapartidas – as Teocracias que se sobrepunham a um e a outro eram, no entanto, bem menos destrutivas que a presente.

Nós, cidadãos, os escravos do século XXI, temos um “acordo” menos parecido com os servos e mais parecido com o dos escravos. Se há coisa que o Estado Democrático não oferece é protecção e ordem, e também não podemos comprar a nossa liberdade – pelo menos não oficialmente (o suborno e o lobbying são indissociáveis da democracia). A principal diferença entre o cidadão e o escravo é que, ao contrário dos donos de escravos de outrora, o nosso dono (o Estado) não tem grande incentivo em manter-nos saudáveis, ou em instruir-nos de forma a aumentar a nossa capacidade de trabalho, e além disso são precisamente os que menos contribuem que recebem a maior quantidade de regalias. Apesar de tudo, podia ser pior. Mas como dizia o velho anarquista, um homem não é menos escravo por poder escolher o seu dono de tantos em tantos anos.

Convém igualmente desconfiar sempre que alguém promete libertações (as libertações resultam precisamente nos exemplos acima). Quase todos os terroristas se chamam a si mesmo libertadores. E as consequências, mesmo quando se considera o ideal como moralmente indiscutível, nem sempre são as mais desejadas. A história está cheia de exemplos, da Revolução Francesa à descolonização, em que a libertação acabou por ser pior (no momento e no futuro) que a servidão que se aboliu. Pior a emenda que o soneto, como se diz. Às vezes parece que a iatrogenia é a constante na história política humana. O que só torna mais trágico o facto de quase ninguém saber do que se trata.

Outra diferença é que o cidadão tem um papel (embora mínimo e em última instância insignificante) na escolha do seu dono temporário, através do voto, e pode aspirar e concretizar a sua ascensão (temporária) à condição de dono, ou pelo menos a parte da classe dos donos (seja na condição executiva ou de teocrata). À superfície, isto pode parecer uma vantagem. Mas, analisando a questão em teoria como na prática, o resultado não se recomenda mais do que a Escravatura clássica, e menos ainda que a servidão feudal.

Apesar de ser perene e existente em todas as sociedades, a Escravatura não provém de nenhum contrato social. O servo nasce servo, o escravo nasce escravo, o cidadão nasce cidadão. O que keep-calm-and-love-democracydistingue o cidadão do Estado Democrático acima de tudo é que o cidadão não tem qualquer noção da sua condição de escravo.

E, não tendo essa noção, o seu dono nunca lhe virá a oferecer a oportunidade de se libertar mas pelo contrário, a sua viagem é para baixo, o seu nível de servidão vai aumentando, sem influência apreciável no processo, com umas migalhas atiradas para o chão em forma de recompensa – ignorando o que as migalhas representam. O facto de o seu dono mudar a cada quatro ou cinco anos, só acelera e aprofunda o processo – o dono temporário, ao contrário do dono permanente, não tem qualquer interesse em manter a qualidade da sua propriedade (o cidadão). Pelo que a qualidade de vida, estabilidade e segurança do cidadão (e por consequência da sociedade em geral) vão se deteriorando. Ao mesmo tempo, o seu dono continua a assegurar-lhe que é livre através da instrução, cada vez menos relevante e construtiva, que lhe oferece. E, para confundir ainda mais o pobre escravo e atissando a natureza ínvia do homem, apresenta-lhe a possibilidade de subir à posição temporária de dono, apaziguando a sua tendência para se rebelar se, por acaso, notar que as condições de submissão estão cada vez piores para si, e melhores para o dono.

A Democracia é, pois, uma Teocracia de falsos e etéreos deuses e uma Escravatura rotativa em espiral descendente. Da próxima vez que entregar o IRS ou colocar o boletim de voto na caixa, pense na sua condição, porque como lembra o poeta o melhor escravo é o que acredita ser livre. E se há fantasia que os nossos teocratas têm necessidade de perpetuar, é essa.

Não lhes faça esse favor.

O colapso de quê?

«This is the arresting and dominant fact about modern social discussion; that the quarrel is not merely about the difficulties, but about the aim. We agree about the evil; it is about the good that we should tear each other’s eyes out. (…) The social case is exactly the opposite of the medical case. We do not disagree, like doctors, about the precise nature of the illness, while agreeing about the nature of health. (…) I maintain, therefore, that the common sociological method is quite useless: that of first dissecting abject poverty or cataloguing prostitution. We all dislike abject poverty; but it might be another business if we began to discuss independent and dignified poverty. We all disapprove of prostitution; but we do not all approve of purity. The only way to discuss the social evil is to get at once to the social ideal

G. K. Chesterton, What is wrong with the world, 1910

Lendo o excerto acima (e, de preferência, o livro de onde é retirado e de que é só uma introdução), podemos observar que a situação do discurso político não se alterou em natureza, apenas em grau. Dizer, por exemplo, que hoje todos desaprovamos a prostituição é obviamente falso, quando a Esquerda decidiu abraçar todas as formas de degeneração possível – e a prostituição, comparada com algumas das novas causas da Esquerda, é um mal menor. E no entanto, continua a ser verdade que se concorda, mais ou menos, nos problemas sociais que existem, na medida em que se pode ter a discussão. Atingimos, porém, um ponto da discussão em que, dos partidos às escolas passando pelos meios de comunicação e pelas universidades (os vários tentáculos do mesmo monstro), não só não se concorda sobre as soluções, não se mantém sequer qualquer pretensão (em nenhuma das facções) de haver um ‘ideal’ social.

E no entanto, esse ideal existe. E não só existe como é a religião que enforma o mundo moderno há 300 anos (mais ou menos), a que podemos chamar Religião Salvacionista Democrática. Antes heres-what-donald-trump-supporters-really-believe.jpgde me aventurar nas consequências da RSD, vou explicar os três pilares da mesma: a RSD é uma Religião no sentido de um sistema cultural de práticas e comportamentos centrados numa colecção de valores e crenças (‘Liberdade, Fraternidade, Igualdade’ – ou LFI), com comemorações e instituições (escolas, universidades; dias internacionais; etc) e dogmas. Mesmo sem um ‘deus’ a RSD tem as suas premissas irredutíveis, e quando se investiga as suas origens descobre-se que só podem ter revelação divina, pois não são certamente susceptíveis de discussão racional. São crenças, no sentido básico do termo. Análogas à crença em Deus. A RSD é salvacionista porque acredita que todos os homens podem ser salvos, através da sua particular sopinha ética (a trindade da LFI), rejeitando qualquer ideia de pecado e punição (na essência, o único pecado é não acreditar e não agir em conformidade com a RSD-LFI). Por fim é Democrática porque é o único sistema político onde é possível pôr em prática a trindade da LFI, e a partir da qual se promovem as características salvíficas da mesma.

Existe uma frase célebre sobre o Demónio em que se afirma que o seu maior truque foi convencer as pessoas de que não existia. O mesmo pode ser dito da RSD. A RSD não se identifica como tal, nem clama existir – mas é indiscutível que existe, e que os seus tentáculos infiltraram o tecido social nas suas variadas camadas, incluindo as camadas do inimigo (as Igrejas Cristãs tradicionais). Em certa medida, o Protestantismo foi a primeira encarnação da RSD.

A RSD é, pois, uma rejeição do ideal de uma sociedade cristã, em que todos os seus conceitos – de autoridade, liberdade, propriedade e justiça – são reapropriados e virados do avesso e kitsappride2015HappyPride.jpgresultam na absoluta licensiosidade e defesa do abominável e na perseguição feroz a quem se atreve a julgar a abominação.

Visto que a RSD elevou a Ciência a um dos seus dogmas (essencialmente o que distingue a Ciência do Cientismo – se calhar deviamos mudar a sigla para LFIC), vamos analisar como a RSD se comporta de um ponto de vista evolucionário, isto é, se a RSD contribui para a perpetuação da espécie. Para isso, olhemos para o problema do declínio populacional.

Há anos que se sabe que as sociedades ‘civilizadas’ (as infectadas pela RSD) têm uma taxa de natalidade abaixo do necessário para manter a população presente. Simplesmente, não se produzem crianças suficientes. Se a tendência se mantiver, eventualmente o ‘homem europeu’ deixará de existir. As Nações Unidas, estando unicamente interessadas na sustentabilidade económica e na perpetuação da RSD (sendo a pedra ideológica em que se fundam), têm um plano para a sua resolução: Emigração de Substituição. O que isto significa é que a solução, do ponto de vista dos sacerdotes da RSD, é simplesmente importar pessoas de fora, de etnias e culturas distintas da população original, que se reproduzam e mantenham uma base tributária.

As razões para a solução proposta são discutíveis. A minha interpretação é que a liderança da RSD têm uma concepção (errónea, mas não ingénua) de igualdade entre os povos e as culturas; essa falta de ingenuidade baseia-se no facto de que os povos e culturas que querem importar são atrasadas (em comparação com as europeias) e que as populações associadas têm, em média, QIs mais baixos. Serão portanto, ou pelo menos imagina-se que sejam, mais fáceis de controlar. O objectivo de um mundo Orwelliano (o objectivo da RSD) é muito mais facilmente atingível com uma população intelectualmente diminuída, com nenhuma tradição de respeito pelo valor do

migrants
“aquilo são dois homens aos beijos? ó diacho!”

indivíduo. O objectivo é ter eleitores/consumidores ignorantes, que permitam a continuação do sistema, que mantenham uma situação de caos (que “requer” uma vigilância constante) na rua, mas não possuam a capacidade de abstracção e organização que os povos europeus possuiam (e, imagina-se, possuem ainda em potência) para contestar os planos dos líderes da RSD de controlo total. Embora, admita-se, haja algumas indicações de que a situação talvez não seja assim tão simples, e que dadas as décadas de propaganda da RSD-LFI a que o Ocidente foi sujeito, talvez seja mesmo entre as populações mais primitivas que se encontre alguma resistência. É possível que a esperança esteja mesmo nos proles, embora no panorama global os proles sejam, não o estrato mais baixo da sociedade, mas as culturas mais primitivas, precisamente por serem mais primitivas e, logo, menos susceptíveis de engolirem a propaganda da RSD.

Seja como for, é claro que este objectivo e esta solução devem ser rejeitadas por qualquer pessoa europeia interessada em resgatar a cultura europeia pré-RSD, mas servindo um pouco de advogado do Diabo, esta solução não é tão descabida como parece, no sentido de adereçar o problema de forma racional. Afinal, é um facto que as etnias e culturas europeias deixaram de ser capazes de se reproduzir. Do ponto de vista da RSD, são precisas pessoas, mas é irrelevante para eles que pessoas populam os países europeus (afinal, a Igualdade é um dos seus dogmas). Mas que cultura na realidade existe na Europa? O consumismo? A licensiosidade? A tolerância suicída? O poder popular? O que existe, então, de bom para conservar? E se não existe nada, como argumentar contra esta solução? Os que rejeitam a Islamização ou Africanização da Europa em defesa da cultura do presente (que é uma cultura da RSD) não estão a defender nada a não ser um suicídio lento. ‘Deixem-nos morrer em paz na nossa vacuidade; deixem-nos ir para o Inferno ao nosso ritmo‘ – é, na essência, a sua posição. Uma posição em concordância com os dogmas da RSD – a ‘oposição controlada’.

Ou seja, quer se aceite a solução das elites globais ou não, o problema continua a existir. Mesmo sem esta solução final que vemos todos os dias praticada, mesmo sem a importação em massa de estrangeiros do terceiro mundo, os europeus continuam escravos da cultura da RSD que conduz à sua própria aniquilação (só os acólitos da RSD acham que é um acaso que a aniquilação moral do homem europeu ande de mãos dadas com a aniquilação física). Neste momento, os governos europeus dividem-se entre os que não querem incentivar a população nativa à reprodução (mais a oeste), e os que querem e incentivam (mais a leste), para atenuar ou reverter esta situação aberrante. Mas o simples facto dos europeus precisarem de incentivos fiscais e financeiros para a sua própria renovação populacional mostra o quão a civilização europeia está perdida. Em termos evolucionários, é uma experiência falhada. Mas que experiência?

A experiência é a RSD-LFIC.

Como já referimos, vários eventos históricos podem ser apresentados como catalisadores da RSD (por exemplo, a substituição do Feudalismo pela Monarquia Absoluta ou a Reforma Protestante). Mas talvez seja mais adequado apontar as revoluções liberais como a origem desta experiência e que são, em última instância, as responsáveis por esta degeneração civilizacional – afinal, a RSD não existe sem o patrocínio do poder político e foram as revoluções liberais que lhe deram a hegemonia (a história, afinal, é escrita pelos vencedores e a RSD teve as suas grandes vitórias políticas nas revoluções liberais). Chamando Chesterton de volta à conversa: «We often read nowadays of the valor or audacity with which some rebel attacks a hoary tyranny or an antiquated superstition. There is not really any courage at all in attacking hoary or antiquated things, any more than in offering to fight one’s grandmother» As revoluções liberais foram muito simplesmente essa revolta torpe e fácil contra a avó civilizacional. Não deixa de ser curioso que os mais acérrimos e ortodoxos defensores da RSD, completamente dentro da doutrina, se considerem parte da resistência.

A civilização europeia deixou de acreditar em Deus para passar a acreditar no Homem. Por outras palavras, e para voltar ao início do texto, a RSD substituiu o ideal antigo pelo seu avesso. E as consequências eram previsíveis.

É por isso importante sublinhar uma vez mais que a RSD não é a ausência de religião, mas uma religião em si mesma. E que como não podia deixar de ser, é intolerante para com os heréticos que questionam os seus dogmas. Nunca nenhuma sociedade humana existiu sem um paradigma picture-pledge-of-allegiance-praying-to-the-statereligioso e sem a garantia legal dos seus dogmas, e a nossa não é excepção. A diferença é simplesmente no objecto de culto. O caso só não é claro porque a RSD tem uma tendência natural para a dissonância cognitiva (daí o efeito curioso exemplificado no video linkado acima), e postula a sua religião como a sua ausência. Mas não é possível substituir algo por nada. O motor humano pode ser abastecido com diferentes combustíveis, mas não anda se estiver vazio. A RSD, portanto, não aboliu a religião, apenas substituiu a antiga por uma nova – um espelho perverso onde tudo o que era bom e desejável é agora vil e execrável e vice versa. Para citar Chesterton novamente (ou talvez não): «When men choose not to believe in God, they do not thereafter believe in nothing, they then become capable of believing in anything.»

Acontece que esta particular religião é inerentemente auto-destrutiva. Todas as suas premissas resultaram em suicidárias consequências. O “poder do povo” não só nunca o foi como resultou nos sistemas mais opressivos, onde o homem comum é mais controlado e indefeso perante o poder, do que em qualquer regime aristocrático – onde a distinção entre governantes e governados é clara e largamente inalterável. O cientismo/secularismo, em vez de libertar o democracy_o_838073.jpghomem do fanatismo e promover o pensamento livre, construiu gerações e gerações de IYIs (Intellectual Yet Idiots), confundindo as sombras pela realidade; e, no panorama da plebe, criou uma intolerância perante qualquer crítica ou julgamento em que já não é possível inquirir se existe alguma diferença entre a sombra na parede e a realidade reflectida – em suma, numa aceitação sem escrutínio de todos os vícios e pecados, e com isso uma imparável tendência para degeneração moral e física. A igualdade e a fraternidade, em vez de harmonizarem as diferentes naturezas e capacidades, ao ignorá-las criaram antagonismos ferozes que resultam numa guerra de todos contra todos (filhos contra pais, mulheres contra maridos, alunos contra professores, funcionários públicos contra privados) e que em termos geopolíticos resulta na guerra total (lembrar que o único regime a lançar uma bomba atómica foi exactamente aquele que representa o auge e a consagração da RSD). Em nenhum outro tópico, no entanto, isto é tão óbvio como na relação entre os sexos. O pináculo da RSD é a incapacidade dos seus aderentes de se reproduzirem.

Por isso o pessimismo talvez seja inevitável, mas não totalmente justificado. O colapso é eminente, mas o colapso de quê? Da RSD – e dos seus dogmas LFIC. Os valores ancestrais da honra, da

123
Capítulo importante na história LGBT

autoridade, da razão e da caridade são ancestrais por alguma razão. Não são arbitrários (apesar de, em certa medida, não serem naturais e requererem esforço e cuidado). A aberração da RSD é apenas uma pequena intermissão. Como na história de Sodoma e Gomorra, as sociedades controladas pela RSD serão destruídas por força maior (quer se ache que é justiça divina ou simples consequência da sua irracionalidade, ou como eu, se ache que ambas são essencialmente a mesma coisa).  Salvar-se-á quem repudiar e abandonar a RSD. Quem olhar para trás, porém, arrisca-se a transformar-se numa pilha de sal.